Há um ano Cavaco defendia manifestação de alunos

Assim que se soube que Cavaco Silva cancelou hoje a visita a uma escola devido aos protestos dos estudantes, houve logo quem, nas redes sociais, lembrasse que, há pouco mais de um ano, era o então candidato a Presidente da República que dizia, a propósito dos vários protestos dos alunos do ensino privado, que as manifestações "são sinal de vitalidade da sociedade civil".

No Twiterr, no Facebook e em vários blogues estão a ser recordadas as palavras de Cavaco Silva ditas a 17 de janeiro de 2011, num jantar-comício em Aveiro. Na altura discutia-se o financiamento do ensino privado e o candidato tinha à sua espera uma manifestação de "jovens SOS". O discurso foi, então, bem diferente do que é hoje: "Considero importante que crianças, jovens, pais e professores venham para a rua defender a sua escola. É um sinal de vitalidade da nossa sociedade civil", disse.

"Cavaco Silva incentiva alunos do privado a manifestarem-se", dizia o Expresso no título da notícia. E no seu discurso, o candidato presidencial prometeu ainda: "Farei tudo o que estiver ao meu alcance para favorecer o espírito de diálogo e de concertação em tudo o que disser respeito à educação."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.