Guerra de microfones no Parlamento: deputado do PS corta o som a secretário de Estado

Deputado do PS impede secretário de Estado de o interromper e tira-lhe o microfone, acusando-o de desconhecer as regras parlamentares.

O socialista Eduardo Cabrita, afirmando que o secretário de Estado Paulo Núncio "faltou à verdade", a propósito da reforma do IRC, contou a sua versão dos factos sobre o acordo feito sobre a matéria entre Governo e PS.

Com Paulo Núncio a querer interrompê-lo, Eduardo Cabrita impediu o governante de ligar o microfone e puxou-o para si, declarando que o secretário de Estado "não dirige trabalhos" da comissão.

"Ouvi-o durante 28 minutos, vai ouvir três referências porque está em causa uma questão de verdade", argumentou Eduardo Cabrita, enquanto Paulo Núncio contrapunha em tom irritado: "Seja verdadeiro, seja verdadeiro."

"Respeite o Parlamento", insistiu Eduardo Cabrita, também irritado, enquanto os deputados presentes iam manifestando espanto e perplexidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...