"Governo tentou ser mais alemão que os alemães e foi desastroso"

Economista britânico Philippe Legrain, ex-conselheiro de Barroso, teve acesa discussão com Bruno Maçães no Twitter. Traça cenário na linha do que irritou o secretário de Estado, que acusa de fazer "propaganda".

Teve uma troca acesa de opiniões no Twitter com Bruno Maçães sobre a situação portuguesa. Acredita que o secretário de Estado está a tentar "dourar a pílula" da situação portuguesa?

Com eleições à porta, o governo está a defender o seu terrível recorde - inclusive recorrendo à propaganda de que Portugal "deixou os seus problemas para trás", como Maçães escreveu. É propaganda e é um absurdo.

Como avalia o nível dessa discussão que teve com o secretário de Estado no Twitter?

Acho positivo que políticos e ministros se envolvam em debates no Twitter. Alguns são mais eficazes do que outros.

Polémicas à parte: que análise faz da atual situação económica e financeira portuguesa?

A economia portuguesa está a beneficiar de fatores externos positivos. Finalmente conseguiu travar o pânico do verão de 2012. Além disso, as políticas de quantitative easing do BCE têm feito baixar os custos dos empréstimos portugueses para mínimos históricos. A descida do preço do petróleo e um euro mais fraco também têm ajudado. Internamente, a extrema austeridade de 2011-12 foi aliviada: o aperto fiscal é muito menor neste ano. Como resultado a economia está a crescer outra vez, lentamente. Mas Portugal ainda está num buraco fundo. A economia está ainda 7,5% mais pequena do que no seu pico no início de 2008 - na verdade está mais pequena do que em 2002 - e ao nível atual de crescimento de 1,5% não vai voltar aos níveis de 2008 antes de 2020: mais de uma década perdida. As dívidas globais - das famílias e das empresas - são insuportavelmente grandes. Os bancos ainda estão numa confusão, com o escândalo do BES à cabeça. Os salários caíram. A pobreza aumentou. O desemprego continua altíssimo. Muitos portugueses emigraram. Ajustando para a população ativa que não tem trabalho e o subemprego, o FMI calcula uma redução do mercado de trabalho de 20%. O FMI também diz que as reformas portuguesas foram inadequadas e que ainda têm de produzir benefícios. Portugal é um país europeu relativamente pobre. Devia estar a aproximar-se dos mais ricos através de mais investimento e aumentando a produtividade. Em vez disso, está a posicionar-se para ser ultrapassado pela Polónia e outros. É trágico.

Pelo que diz, o programa de assistência a Portugal foi malsucedido. Quem foi o responsável: o governo ou a troika?

O programa falhado foi projetado pela troika dentro das limitações políticas definidas pela Alemanha. E foi entusiasticamente implementado pelo governo português, que tentou ser "mais alemão do que os alemães". Mas as consequências foram desastrosas: uma longa e desnecessária depressão da qual o país ainda não recuperou e que perversamente causou uma dívida pública tão alta que ultrapassa o produto interno bruto.

Portugal pode reduzir a dívida sem perdão ou sem a reestruturar?

O peso da dívida portuguesa é insuportavelmente grande, e a sua maioria é detida por estrangeiros. Como alertou o FMI, Portugal tem de ser muito mais vigoroso na reestruturação da dívida corporativa. As dinâmicas da dívida pública continuam precárias: Portugal continua muito vulnerável a um aumento das taxas de juro e a um abrandamento do crescimento. A troca da dívida detida pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira por obrigações do Tesouro - que pagam mais quando há crescimento, mas nada numa recessão - seria uma grande ajuda.

Que modelo deve a Europa seguir para ultrapassar esta crise? Ou pegando no seu livro: como pode haver a tal "Primavera Europeia"?

A Europa precisa de uma Primavera Europeia de renovação económica e política. Precisamos de resolver de uma vez por todas a crise de forma decisiva e justa, reduzindo as dívidas insuportáveis, tanto privada como pública, limpando os bancos, e aumentado o investimento, com a Alemanha a desempenhar o seu papel na dinamização da procura interna. Precisamos de reformas para tornar as nossas economias mais dinâmicas, focando-se no aumento da produtividade e, consequentemente, nos padrões de vida, e não de cortar salários numa demanda germânica da "competitividade". E precisamos de políticas muito mais abertas e honestas que antecipem o interesse público em vez dos interesses particulares (em particular o setor financeiro) e que permitam às pessoas legitimar escolhas democráticas sobre questões cruciais como a tributação e a despesa.

No livro escreve que a Europa está uma confusão. Quem são os responsáveis?

A narrativa alemã de que a crise é culpa de toda a Europa do Sul é falsa. A Europa está numa confusão por muitas razões. Empréstimos excessivos feitos por um setor financeiro mal regulado a mutuários insensatos. As políticas mercantilistas da Alemanha - baixar salários para subsidiar as exportações e acumular enormes superavits externos - que alimentaram maus empréstimos dos bancos alemães nos anos pré--crise e que agora exportam deflação. O poder dos interesses instalados em todos os países que reprimem as oportunidades e roubam o valor criado por outros. Decisões políticas catastróficas tomadas pelos decisores da zona euro, especialmente Angela Merkel.

O euro está condenado ao fracasso ou ainda se pode salvar?

Economicamente, a zona euro é um inteiro desastre. A economia está 1,5% mais pequena do que o seu pico de há sete anos; no mesmo período, os EUA, que também tiveram uma grande bolha seguida de uma crise financeira, cresceram quase 10%. Desde que o euro começou a falhar, como até Mario Draghi admite, está a ser mantido por políticas de estímulo: a crença de que o futuro do projeto europeu está dependente delas, o interesse próprio de credores poderosos de cada país e o medo das consequências de uma separação desordenada. Mas, a menos que a zona euro comece a produzir padrões de vida mais elevados para todos de uma maneira que respeite as democracias nacionais - sugeri que precisávamos de uma zona euro mais flexível para conseguirmos isso -, este casamento infeliz vai acabar eventualmente em acrimónia.

Foi conselheiro de Durão Barroso. Escreveu no seu livro que o avisou de que a receita proposta pela comissão para a zona euro era errada e que a dívida grega deveria ser reestruturada. Durão não lhe deu ouvidos por pressão de Merkel?

O presidente Barroso contratou-me para lhe dar conselhos económicos independentes. Temos de lhe dar crédito por reconhecer que os funcionários da Comissão estavam fora de pé [da sua área de conhecimento] mas abertos a perspetivas alternativas. Mas é lamentável que as políticas levadas a cabo pela autoridades da zona euro tenham sido desastrosas. Merkel tem de ser culpabilizada por grande parte disso.

No seu entender, a comissão Barroso fracassou em todas as intervenções que teve na crise europeia?

As autoridades da zona euro em geral falharam miseravelmente aos europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".