"Governo não olha para a escola pública", diz Seguro

O secretário-geral do PS criticou hoje a ausência de "política educativa" do Governo, que só impõe cortes e tem um "preconceito em relação à escola pública".

António José Seguro falava no final de mais de duas horas de conversa com professores, diretores, funcionários e encarregados de educação, um encontro que decorreu na Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, onde ouviu as queixas, críticas e preocupações em relação à educação em Portugal, concretamente naquilo relacionado com o início do ano escolar.

O líder socialista foi perentório ao afirmar que "não há projeto para a educação no nosso país" nem "política educativa", considerando que aquilo que existe são "cortes, cortes e cortes" e um "preconceito em relação à escola pública".

"Esse preconceito sempre existiu, não é novo. É próprio dos liberais que consideram que as pessoas devem ter um Estado mínimo mas cada um depois deve tratar de si em função daquilo que são as suas oportunidades e a sua condição", atirou.

Seguro criticou o facto de em vez de haver "professores a falar exclusivamente de educação e de ensino", o "Ministério da Educação mete os professores a tratar de coisas administrativas e de regulação da vida da escola".

"Nós não temos um Ministério da Educação, temos um ministério da reforma administrativa escolar", concretizou.

Concretamente sobre o ano letivo que agora se iniciou, o secretário-geral do PS recusou-se a aceitar que "exista uma espécie de banalidade de instabilidade do início do ano escolar".

"Nós temos um Governo que não olha para a escola pública como ela deve ser olhada", sustentou, acrescentando que "se há uma setor que precisa de estabilidade é o da educação.

Reforçando uma ideia que veio de um dos participantes no encontro, Seguro sublinhou que todas estas questões vêm de "um ministério de um Governo que prometeu excelência e rigor no ensino".

"Isto não é rigor e muito menos é excelência", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.