"Governo não olha para a escola pública", diz Seguro

O secretário-geral do PS criticou hoje a ausência de "política educativa" do Governo, que só impõe cortes e tem um "preconceito em relação à escola pública".

António José Seguro falava no final de mais de duas horas de conversa com professores, diretores, funcionários e encarregados de educação, um encontro que decorreu na Escola Secundária Alexandre Herculano, no Porto, onde ouviu as queixas, críticas e preocupações em relação à educação em Portugal, concretamente naquilo relacionado com o início do ano escolar.

O líder socialista foi perentório ao afirmar que "não há projeto para a educação no nosso país" nem "política educativa", considerando que aquilo que existe são "cortes, cortes e cortes" e um "preconceito em relação à escola pública".

"Esse preconceito sempre existiu, não é novo. É próprio dos liberais que consideram que as pessoas devem ter um Estado mínimo mas cada um depois deve tratar de si em função daquilo que são as suas oportunidades e a sua condição", atirou.

Seguro criticou o facto de em vez de haver "professores a falar exclusivamente de educação e de ensino", o "Ministério da Educação mete os professores a tratar de coisas administrativas e de regulação da vida da escola".

"Nós não temos um Ministério da Educação, temos um ministério da reforma administrativa escolar", concretizou.

Concretamente sobre o ano letivo que agora se iniciou, o secretário-geral do PS recusou-se a aceitar que "exista uma espécie de banalidade de instabilidade do início do ano escolar".

"Nós temos um Governo que não olha para a escola pública como ela deve ser olhada", sustentou, acrescentando que "se há uma setor que precisa de estabilidade é o da educação.

Reforçando uma ideia que veio de um dos participantes no encontro, Seguro sublinhou que todas estas questões vêm de "um ministério de um Governo que prometeu excelência e rigor no ensino".

"Isto não é rigor e muito menos é excelência", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.