Governo está empenhado em contrariar desemprego

O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares reconheceu hoje que os números do desemprego em Portugal são "muitíssimo elevados", mas reiterou que o Governo está empenhado numa estratégia de crescimento que potencie a criação de emprego.

"São números muitíssimo elevados, mas que são resultado natural de dificuldades profundíssimas que a economia portuguesa sofre em termos estruturai, que levou (...) ao programa de assistência económica e financeira", comentou Luís Marques Guedes no final da reunião de Conselho de Ministros de hoje.

O governante comentava os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), hoje revelados, que indicam que a taxa de desemprego subiu em Portugal para os 17,7% no primeiro trimestre, face aos 16,9% observados no trimestre anterior, com o número de desempregados em Portugal a ultrapassar os 950 mil.

Marques Guedes destacou a estratégia para o crescimento e fomento industrial recentemente apresentada pelo Governo, esperando o ministro que o documento "possa ser consensualizado com todos" os parceiros sociais e partidos políticos para uma maior "sustentabilidade e abrangência" das medidas de crescimento económico.

A "única forma" de resolver o problema do desemprego, contudo, é por via "da resolução dos problemas económicos que o país tem", lembrou o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares.

De acordo com o INE, a taxa de desemprego aumentou em termos trimestrais 0,8 pontos percentuais e 2,8 pontos percentuais face ao período homólogo.

Entre janeiro e março, o INE contabilizou 952,2 mil desempregados, o que representa um acréscimo trimestral de 3,1% (mais 29 mil pessoas) e homólogo de 16,2% (mais 132,9 mil pessoas).

Os números observados no final do primeiro trimestre atingem níveis absolutamente históricos, num contexto de subidas da taxa de desemprego em Portugal desde o segundo trimestre de 2008, altura em que se situava nos 7,3%, o equivalente a 409,9 mil desempregados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.