Governo está empenhado em contrariar desemprego

O ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares reconheceu hoje que os números do desemprego em Portugal são "muitíssimo elevados", mas reiterou que o Governo está empenhado numa estratégia de crescimento que potencie a criação de emprego.

"São números muitíssimo elevados, mas que são resultado natural de dificuldades profundíssimas que a economia portuguesa sofre em termos estruturai, que levou (...) ao programa de assistência económica e financeira", comentou Luís Marques Guedes no final da reunião de Conselho de Ministros de hoje.

O governante comentava os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), hoje revelados, que indicam que a taxa de desemprego subiu em Portugal para os 17,7% no primeiro trimestre, face aos 16,9% observados no trimestre anterior, com o número de desempregados em Portugal a ultrapassar os 950 mil.

Marques Guedes destacou a estratégia para o crescimento e fomento industrial recentemente apresentada pelo Governo, esperando o ministro que o documento "possa ser consensualizado com todos" os parceiros sociais e partidos políticos para uma maior "sustentabilidade e abrangência" das medidas de crescimento económico.

A "única forma" de resolver o problema do desemprego, contudo, é por via "da resolução dos problemas económicos que o país tem", lembrou o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares.

De acordo com o INE, a taxa de desemprego aumentou em termos trimestrais 0,8 pontos percentuais e 2,8 pontos percentuais face ao período homólogo.

Entre janeiro e março, o INE contabilizou 952,2 mil desempregados, o que representa um acréscimo trimestral de 3,1% (mais 29 mil pessoas) e homólogo de 16,2% (mais 132,9 mil pessoas).

Os números observados no final do primeiro trimestre atingem níveis absolutamente históricos, num contexto de subidas da taxa de desemprego em Portugal desde o segundo trimestre de 2008, altura em que se situava nos 7,3%, o equivalente a 409,9 mil desempregados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.