Gaspar explica-se hoje aos deputados

Ministro das Finanças apresenta conclusões de sétima avaliação da 'troika' na comissão eventual, depois de protestos socialistas sobre "atropelo institucional" ao Parlamento.

O ministro das Finanças vai explicar hoje à tarde, perante os deputados da Comissão Eventual para Acompanhamento das Medidas do Programa de Assistência Financeira a Portugal, os resultados da sétima avaliação da 'troika', depois de um primeiro adiamento na sexta-feira ter atirado a reunião para 5 de abril, por alegada "indisponibilidade de agenda" de Vítor Gaspar.

No entanto, ontem, quando se soube que o ministro das Finanças se reuniria hoje com as bancadas do PSD e do CDS, o líder parlamentar socialista protestou por este "grave atropelo institucional". A acusação de Carlos Zorrinho terá feito recuar Vítor Gaspar que encontrou tempo para hoje se explicar perante todas as bancadas. Será acompanhado dos secretários de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio e o da Administração Pública, Hélder Rosalino, segundo a informação disponibilizada no 'site' do Parlamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".