Gaia em risco de falência com dívida próxima dos 300ME

Vila Nova de Gaia é o segundo município mais endividado do País, só batido por Lisboa. Tribunal de Contas está a realizar uma auditoria ao último mandato, período durante o qual o mandatário de Menezes na última campanha ganhou mais de 332 mil euros em ajustes diretos

Vila Nova de Gaia corre o risco de ser tornar a Detroit portuguesa e entrar em processo de falência. De acordo com documentos a que o DN teve acesso, a dívida do município pode ficar muito próxima dos 300 milhões de euros, o que seria incomportável para os cofres e funcionamento da autarquia. A situação já era má, mas recentes decisões dos tribunais pioraram muito o problema e, só nos últimos três meses, os encargos do município aumentaram 62,5 milhões de euros por culpa de duas sentenças desfavoráveis de tribunais superiores.

De acordo com o balanço financeiro feito pela autarquia, a 30 de setembro de 2013 a dívida da câmara estava nos 218, 6 milhões de euros, da qual mais de 71% era dívida bancária (155,1 milhões de euros). O problema é que há neste momento 59 processos judiciais pendentes que - caso sejam desfavoráveis ao município - podem levar a que a dívida da câmara aumente em 75 milhões de euros, podendo atingir um valor total de 294 milhões.

Leia mais no DN E-paper

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.