Franquelim Alves estreia-se hoje no Parlamento

O novo secretário de Estado Franquelim Alves estreia-se hoje no Parlamento, no âmbito da preparação de uma lei de bases sobre a competitividade e o empreendedorismo, mas a audição promete ser dominada pela sua passagem pela Sociedade Lusa de Negócios (SLN).

A audição está marcada para as 10:30, na Comissão Parlamentar de Economia e Obras Públicas.

A polémica estalou no dia 31, horas antes de Cavaco Silva dar posse aos novos secretários de Estado, pela mão do PCP, que considerou que o Presidente não devia empossar o antigo administrador da SLN, dona do Banco Português de Negócios, uma crítica a que se juntaram os partidos da oposição parlamentar.

Entre as várias polémicas que marcaram a entrada de Franquelim Alves para o Executivo está a omissão da passagem pela SLN no currículo inicialmente distribuído pelo Governo, entre outras incongruências detetadas nas várias versões do seu currículo.

Na defesa da nomeação, o ministro da Economia disse que Franquelim Alves nada fez de errado durante a sua passagem pela SLN e sublinhou que o novo governante sempre mostrou dedicação "à causa pública" e condenou a "tentativa de linchamento público" do novo secretário de Estado do Empreendedorismo.

"Em 43 anos de perfil profissional, Franquelim Alves foi sempre considerado pelas pessoas para quem trabalhou, quer como secretário de Estado num Governo anterior, quer no IGCP, quer à frente do Compete, mostrou uma dedicação muito grande à causa pública. Nesses 43 anos a questão da idoneidade e credibilidade não foi posta em causa", afirmou Santos Pereira no Parlamento.

Também o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, defendeu Franquelim Alves, considerando que "foi a primeira pessoa a chamar a atenção para a situação de irregularidades [no BPN]".

Franquelim Alves mostrou-se tranquilo sobre a sua passagem na SLN: "Não tenho qualquer tipo de situação a esconder sobre a minha passagem na SLN, não estou acusado de nada, não fui constituído arguido. Sinto-me em condições de desempenhar o cargo" de secretário de Estado, disse o governante em entrevista à RTP na semana passada.

"Estou perfeitamente tranquilo, cumpri com rigor, exigência e dedicação" as funções de administrador na SLN, acrescentou, mostrando-se "totalmente perplexo" com as críticas sobre a nomeação por ter passado pela SLN, até porque "nem todas as pessoas que passaram por lá são responsáveis pelo buraco".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.