Ferreira Leite avisa que sacrifícios não vão dar resultado

Manuela Ferreira Leite, ex-ministra das Finanças e ex-líder do PSD, teceu ontem duras críticas ao Documento de Estratégia Orçamental (DEI) 2014-2017 e ao ministro das Finanças Vítor Gaspar no seu espaço de comentário na TVI24.

"Trata-se de um documento de natureza teórica, que pouco acrescenta àquilo que gostaríamos de saber sobre o nosso futuro. Poderia ser uma tese de doutoramento e que aquilo que lhe faltava para ser uma verdadeira tese de doutoramento é que tem um modelo teórico sem nenhuma adesão à realidade. Não há um facto concreto que caiba dentro do modelo que está ali desenhado", disse, em vésperas de o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho falar ao país, numa comunicação que está marcada para as 20.00.

CLIQUE AQUI PARA ACEDER A VÍDEO DA INTERVENÇÃO NA TVI24:

A ex-ministra das Finanças e ex-candidata a primeira-ministra considerou na sua intervenção que o DEO mais parece um exercício feito "de pernas para o ar", feito em concordância "com os objetivos que a 'troika' impôs" e, em seguida, "construíram-se os indicadores de forma a encaixar" neles."É preciso ter uma varinha mágica para transformar uma abóbora numa carruagem. Está bom para contar aos meus netos mas não para nos se dito a nós", acrescentou, no comentário semanal que tem naquela estação de televisão.

"Não estou nada convencida de que seja exequível aquilo que estão a dizer que vão fazer. Podem anunciar, podem amedrontar, podem criar ainda mais espírito de recessão, podem afundar psicologicamente as pessoas, mas resultados não vão ter nenhuns. Não é por essa via que vou ficar preocupada", referiu, manifestando alguma descrença em relação às medidas levadas a cabo pelo Governo do PSD-CDS/PP.

Manuela Ferreira Leite sublinha ainda que não considera adequado que o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, tenha falado mal de Portugal à 'troika': "Não me parece correto que o ministro das Finanças tenha transmitido a instâncias internacionais a ideia de que todos foram uns incompetentes e uns irresponsáveis até à data e que isto agora é que é o caminho certo".