Falha acordo entre Governo e PS no IRC

O entendimento entre maioria e socialistas falhou no último momento, apurou o DN. Governo diz que a 'troika' não deixa baixar a taxa de IRC para metade para os primeiros 12500 euros de lucro, como pedia PS.

[atualizada com informação sobre debate na comissão]

O entendimento entre a maioria e os socialistas para a reforma do IRC falhou no último momento, apurou o DN. O Governo veio dizer que a troika não deixa baixar a taxa de IRC para metade para os primeiros 12500 euros de lucro, como pretendia o PS, que apontava esta proposta como uma das cinco de que não abdicaria para dar o seu acordo à reforma do imposto.

A discussão deste ponto iniciou-se às 11.55 no Parlamento, no âmbito da comissão de Orçamento e Finanças e foi visível que os deputados do PSD e do CDS estiveram até ao último instante a discutir eventuais alterações. Um intervalo nos trabalhos da comissão prolongou-se por mais de meia hora, com os deputados da maioria agarrados a papéis e telemóveis.

Coube aos deputados da maioria, Miguel Frasquilho (PSD) e João Almeida (CDS) defender a rejeição da proposta socialista para baixar a taxa de IRC para 12,5% aos primeiros 12500 euros de lucro. Segundo Frasquilho, a proibição desta taxa de 12,5% está inscrito no memorando inicial, que o PS assinou (juntamente com os atuais partidos da maioria).

Mais: "O regime simplificado na tributação das pequenas e médias empresas", agora aprovado, "pode ser mais favorável do que com esta tributação proposta pelo PS", apontou o social-democrata.

A maioria mostrou-se disponível para voltar a discutir o tema "depois de terminar o programa de assistência", notou Miguel Frasquilho.

Os trabalhos da comissão acabaram por ser interrompidos às 12.40, a pedido da maioria, para serem retomados no final da tarde. Também não estará concertada a posição entre PSD e CDS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.