Eurodeputado do PCP considera "enorme desfaçatez" declarações de Juncker

João Ferreira sublinhou que o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, teve "pesadíssimas responsabilidades" nos programas de intervenção.

O deputado do PCP João Ferreira classificou hoje de "enorme desfaçatez" as declarações do presidente da Comissão Europeia sobre a intervenção da 'troika', recordando que Jean-Claude Juncker teve "pesadíssimas responsabilidades" nos programas de intervenção.

"São declarações que revelam uma enorme desfaçatez, proferidas por alguém que teve pesadíssimas responsabilidades, enquanto presidente do Eurogrupo, no desenho dos programas de intervenção da 'troika'", assinalou o eurodeputado comunista, em declarações à agência Lusa.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, admitiu na quarta-feira que a 'troika' "pecou contra a dignidade" de portugueses, gregos e também irlandeses", reconhecendo que a afirmação pode parecer 'estúpida' por ser dita pelo ex-líder do Eurogrupo.

Segundo João Ferreira, o facto de a 'troika' e os seus memorandos terem atentado contra a dignidade dos portugueses, gregos e irlandeses "não foi por uma mera questão formal, como Juncker parece sugerir agora", mas sim por um problema de "conteúdo de políticas".

Para o deputado comunista, aquilo que se pretende agora é "baralhar e dar de novo", passando a 'troika' a um quarteto, conforme as declarações do presidente da Comissão Europeia, que sugere manter as instituições que dela fazem parte, incluindo um ministro na dependência do presidente do Eurogrupo.

"Ou seja, quer mudar o embrulho para que o presente continue a ser o mesmo presente envenenado. [Juncker] diz que as políticas ditas de consolidação devem continuar, ou seja, estamos perante uma tentativa de prosseguir a politica da troika sem a troika", sustentou.

João Ferreira defendeu uma "política alternativa" que, no plano nacional, passaria por uma "política patriótica, que saiba assumir a rutura com as imposições e subordinação às potências da União Europeia".

O deputado ao Parlamento Europeu preconizou também uma política de esquerda "que promova o desenvolvimento económico e social e o progresso, e que rompa com o caminho de declínio para onde o país foi arrastado".

Nas declarações proferidas esta quarta-feira, Juncker teceu ainda críticas à anterior Comissão Europeia (CE), liderada por Durão Barroso, ao afirmar que "antes não se falava em absoluto" na Grécia porque se "confiava cegamente no que dizia a 'troika'", formada pela CE, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu.

O atual presidente da CE insistiu na ideia de que falta à 'troika' legitimidade democrática, apesar de considerar que as três instituições que a formam devem estar presentes na estrutura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.