"Em guerra não se limpam armas", garante Passos

O primeiro-ministro e presidente do PSD considerou, na quinta-feira à noite, sem precisar ao que se estava a referir, que haverá tempo para tirar lições "de todo este processo", mas não "quando se está em guerra".

Pedro Passos Coelho fez esta afirmação na reunião do Conselho Nacional do PSD, num hotel de Lisboa, logo depois de falar da dívida acumulada por Portugal e dos anos necessários para a equilibrar, numa intervenção em que também falou do processo de conversações em curso com o PS e o CDS-PP com vista a um acordo de médio prazo proposto pelo Presidente da República.

"Haverá uma altura própria em que tiraremos de todo este processo as devidas ilações, lições e ensinamentos. Não é ainda o momento de fazer essa avaliação. Costuma-se dizer: quando estamos no meio da batalha, quando se está em guerra, não se limpam armas. É mesmo assim", afirmou o primeiro-ministro, num discurso a que a comunicação social pôde assistir.

"A guerra forte em que estamos envolvidos não nos permite, não nos consente que nos possamos distrair com outras avaliações ou considerações", acrescentou Passos Coelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".