É natural que os EUA queiram reduzir presença nas Lajes

O general Loureiro dos Santos considerou hoje "perfeitamente natural" a intenção dos Estados Unidos em reduzir a presença norte-americana na Base das Lajes, Açores, referindo que as relações entre os dois países "não vão ser afetadas".

O secretário da Defesa norte-americano, Leon Panetta, informou segunda-feira o ministro da Defesa português, José Pedro Aguiar-Branco, da intenção dos Estados Unidos reduzirem a presença na Base das Lajes, que vai ser negociada bilateralmente.

Em declarações à agência Lusa, o general Loureiro dos Santos, antigo Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), disse que Portugal e os Estados Unidos vão continuar a ter uma relação estreita.

"Os EUA modificaram a estratégia geral relativamente à utilização de forças militares e a modificação mais importante foi a alteração do esforço que até agora se verificava nas duas guerras do Afeganistão e do Iraque e também na Europa, isto é, privilegiava as ligações com a Europa e com os problemas da Europa, nomeadamente da Europa de Leste, e passou a exercer o seu esforço na Ásia", disse.

No entender do general Loureiro dos Santos, esta situação associada à necessidade de um "'downgrading' de todas as forças militares, tendo em vista os custos exagerados que têm sido feitos nos últimos anos e a situação financeira muito débil e delicada" dos Estados Unidos justifica a redução nas Lajes.

"Neste contexto, é perfeitamente natural que as forças militares e os destacamentos dos EUA no âmbito europeu sejam reduzidos, aliás já anunciaram que vão retirar duas das quatro brigadas que estão na Europa e eventualmente diminuir comandos que aqui estão estacionados", salientou.

O especialista em defesa e estratégia considerou ainda que "dentro deste contexto também há uma diminuição dos elementos que estão na Base das Lajes que não é só desta base mas de todo o eixo Atlântico europeu".

Apesar da diminuição, o general Loureiro dos Santos realçou que os EUA têm o cuidado de manter a sua capacidade para a qualquer momento voltar a fazer o "'upgrading' da Base das Lajes que nunca será abandonada".

No encontro entre Leon Panetta e José Pedro Aguiar-Branco, realizado na segunda-feira no Pentágono, em Washington, não foram discutidos números de redução de efetivos, mas apenas o início de um processo de negociações entre equipas norte-americanas e portuguesas, sobre a "modalidade" da reestruturação.

Allan Katz, o embaixador dos Estados Unidos em Lisboa, afirmou recentemente que os "reajustamentos orçamentais" obrigam a fazer cortes na presença militar no exterior e que a Base das Lajes não tem a mesma importância estratégica para os Estados Unidos do que tinha "há 30 anos".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.