É bom que Eurogrupo flexibilize pagamento antecipado

Paulo Rangel defendeu esta quinta-feira à tarde que o Eurogrupo não deve "vedar" a possibilidade de "haver um pagamento antecipado" da dívida portuguesa, "se significar um bem para o País".

Falando aos jornalistas, à margem da Universidade de Verão do PSD - depois de ter falado para uma centena de jovens numa sessão que decorreu à porta fechada - o deputado social-democrata no Parlamento Europeu defendeu que não devem ser colocados entraves aos países se estes se "conseguirem financiar a juros menores daqueles que tinham [com os] empréstimos das 'troikas'".

O Eurogrupo reúne-se na próxima semana para discutir a possibilidade de os países poderem antecipar o pagamento de empréstimos dos seus resgates financeiros.

Rangel insistiu que o "Eurogrupo deve flexibilizar e criar a possibilidade de haver um pagamento antecipado, se significar um bem para o país" que esteve sob resgate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.