Deputado do PS manifesta "enorme entusiasmo" pela ascensão internacional da China

"Todos gostaríamos que, no plano político, a China fosse mais parecida com a Suécia, mas a China é a China e ao Ocidente falta, muitas vezes, humildade", disse Sérgio Sousa Pinto.

O deputado socialista português Sérgio Sousa Pinto manifestou esta terça-feira "enorme entusiasmo" pela ascensão internacional da China e descreveu aquele país como "uma admirável realização histórica".

"Todos gostaríamos que, no plano político, a China fosse mais parecida com a Suécia, mas a China é a China e ao Ocidente falta, muitas vezes, humildade para perceber que a China não precisa de estar permanentemente a receber lições", disse Sousa Pinto à agência Lusa em Pequim.

O deputado do PS, que preside à Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portugueses, chegou no sábado à capital chinesa, acompanhado por representantes do PSD (Ricardo Baptista Leite), PCP (Carla Cruz) e CDS-PP (Filipe Lobo d' Ávila).

Para Sousa Pinto, a China é "um imenso bloco humano" que, "independentemente dos regimes", conseguiu "preservar a sua capacidade enquanto ator politico e progredir no sentido do desenvolvimento humano".

"Não interessa saber se este regime é comunista ou é um neo-mandarinato burocrático. O que interessa é que esta enorme massa humana se libertou das experiências imperialistas europeias do século XIX, que foram um dos episódios mais lastimosos do Ocidente", afirmou.

A trajetória da China constitui "um êxito histórico" que "o mundo deve olhar com admiração", acrescentou.

Sobre a ascensão internacional da China, Sousa Pinto respondeu: "Vejo isso com enorme entusiasmo porque a China é uma potência tranquila, que procura desenvolver relações amistosas com o resto do mundo e favorecer uma prosperidade comum".

Nas declarações à agência Lusa, o deputado socialista realçou também que "Portugal e a China mantêm há 500 anos uma relação mutuamente vantajosa, com base no pragmatismo e no respeito mutuo".

Referindo-se a Macau, Sousa Pinto afirmou que aquele território representa "a experiência mais feliz que a China teve com uma potência ocidental".

"Portugal é um país muito particular, com uma cultura universal e intensas relações afetivas com países de todos os continentes, e a China sabe disso", rematou.

Além de Pequim, a delegação parlamentar portuguesa visitará Tianjin, regressando a Lisboa na próxima quinta-feira.

Trata-se da primeira visita à China de uma delegação da Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas e incluiu contactos com responsáveis da Assembleia Nacional Popular, Ministério dos Negócios Estrangeiros e Departamento Internacional do Partido Comunista Chinês.

O objetivo é "favorecer a aproximação" entre políticos dos dois países, "numa altura em que as relações Portugal-China tendem a intensificar-se no plano económico", indicou Sousa Pinto.

Nos últimos quatro anos, a China foi dos países que mais investiu em Portugal, comprando participações em grandes empresas das áreas da energia, seguros, saúde e banca, e tornou-se também um mercado de crescente importância para as exportações portuguesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.