Deputada do PS defende demissão do porta-voz do partido

A deputada Isabel Moreira defendeu hoje a demissão do porta-voz do PS, devido aos comentários sobre os Governos de Sócrates, considerando que João Ribeiro "destrói" a "linha correta" de "união do partido" que tem seguido o secretário-geral.

"Eu digo isto não tanto por uma defesa de José Sócrates, porque ele não precisa, mas por uma defesa da linha correta, de união do grupo parlamentar, de união do partido, que vem sendo seguida por António José Seguro. Não pode ter um porta-voz que destrói a sua caminhada, que acho que tem sido tão positiva neste sentido. Cabe-lhe obviamente o julgamento, mas se fosse eu o secretário-geral, esta figura não teria outro destino que não a demissão", disse Isabel Moreira à Lusa.

A deputada independente da bancada do PS comentava assim uma posição assumida na rede social Facebook pelo porta-voz do PS, João Ribeiro.

"Infelizmente, para defender o passado e honrar a assinatura de José Sócrates temos de nos calar contra medidas inaceitáveis", escreveu João Assunção Ribeiro em resposta a um militante socialista.

Isabel Moreira disse ter sabido deste comentário "com alguma estupefação", considerando que o porta-voz do PS usou o "fator Sócrates" como está a fazer "a direita e alguma imprensa".

"Para tentar que fiquemos como que atávicos de um passado diabolizado por eles e que não consigamos ir para a frente com propostas e criticando o que já soma nove meses de Governo. E não são bem sucedidos. Primeiro, porque o PS é um partido de longa história, assumimos o nosso passado com orgulho, todos os Governos do PS tiveram coisas boas e coisas más, foi o que se passou com o anterior Governo, do qual todos nós temos orgulho", sublinhou Isabel Moreira.

"Esta tentativa da direita e de alguma imprensa de fazer com que fiquemos paralisados e quase que absorvamos, numa espécie de efeito reativo, essa mensagem de ataque ao Governo anterior de forma permanente e que tenhamos de nos estar sempre a defender em vez de atacar o Governo atual, é uma estratégia que é tão evidente que fala por si só", acrescentou.

Para Isabel Moreira é por isso mesmo que "quando se vê uma pessoa com o lugar que tem como o dr. João Assunção Ribeiro a fazer uma declaração destas, ele está no fundo a dificultar o que tem sido uma caminhada crescente, do ponto de vista da eficácia, de António José Seguro, de mostrar que realmente não há uma divisão" no grupo parlamentar "entre socráticos e não socráticos".

"Estamos todos ao lado de António José Seguro", acrescentou.

"E eu, pela minha parte, e sabendo que falo pelos meus outros colegas, tudo farei pelo seu sucesso e estou 100% com ele e portanto todas essas dicotomias socráticos e não socráticos são puras invenções. E quando uma pessoa com esta função vem dizer isto, obviamente destrói esse esforço que António José Seguro tem feito de desmontar essa estratégia da direita", sublinhou, acrescentando mais uma vez que cabe ao secretário-geral avaliar as consequências das afirmações de José Ribeiro, mas que a sua opinião é que deveria optar pela "demissão imediata" do porta-voz do PS.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.