"Depois da ignóbil chinesice de Costa, abandono o PS, e é já"

Alfredo Barroso vai desfiliar-se por causa das declarações de Costa que, frente a uma plateia de chineses, elogiou as mudanças que aconteceram no país nos últimos quatro anos.

Alfredo Barroso, um dos fundadores do Partido Socialista, anunciou que vai desfiliar-se do PS por sentir-se envergonhado com a "inqualificável chinesice" de António Costa. Barroso referia-se às declarações do líder do PS durante numa homenagem que lhe foi feita no passado dia 19 de fevereiro pela comunidade chinesa radicada em Portugal. António Costa agradeceu a ajuda chinesa a Portugal, não só dos emigrantes no país mas dos empresários em geral e, numa frase que já se tornou viral - com a ajuda da oposição do PSD e CDS - pareceu elogiar as mudanças que aconteceram no país ao longo dos últimos quatro anos, sublinhando que a situação é hoje "bastante diferente" do que aquela que se verificava quando o Governo de Sócrates pediu o resgate aos credores internacionais.

O eurodeputado Nuno Melo recuperou as declarações de Costa, que passaram no canal chinês CCTV, num artigo de opinião, colocando depois o vídeo na sua página do Facebook. Entretanto, o blog Blasfémias criou mesmo um toque para o telemóvel com a frase do presidente da Câmara de Lisboa.

Alfredo Barroso explica assim a sua saída do PS: "Já chega! Nunca me passou pela cabeça que um secretário-geral do PS se atrevesse a prestar vassalagem à ditadura comunista e neoliberal da República Popular da China, e se atrevesse a declarar, sem o menor respeito por centenas de milhares de desempregados e cerca de dois milhões de portugueses no limiar da pobreza, que Portugal está hoje melhor do que há quatro anos. A declaração de António Costa é uma vergonha!".

O fundador do Partido Socialista que ainda esta semana vai enviar a carta com a desfiliação - "enviarei à direção do PS (hoje tenho vergonha de escrever por extenso Partido Socialista) uma carta muito simples" - garante que não irá aderir a outro partido. Mas vai apoiar e votar no Bloco de esquerda.

Alfredo Barroso diz ter a certeza de que "a 'ralé' que tomou conta do 'aparelho' do PS é capaz de se atrever a desenvolver contra mim miseráveis campanhas".

Considerando que a chinesice de António Costa é um tiro de canhão no coração do PS, Alfredo Barroso escreve que "agora só falta mesmo o PS apoiar como candidato a Belém o advogado de negócios António Vitorino, que vai ser o próximo presidente da assembleia geral da «chinesa» EDP e membro do respetivo conselho geral, presidido pelo ignóbil Eduardo Catroga. Ah, é verdade, e porque não, já agora, apoiar o inefável Jorge Coelho como candidato a primeiro-ministro?!"

Exclusivos