Defesa vai "devolver à população" mosteiro onde está o Instituto de Odivelas

Futura utilização do edifício será discutida com a autarquia.

O mosteiro onde está instalado o Instituto de Odivelas, escola militar em fase de extinção, vai ser devolvido à população e a sua utilização futura deverá manter-se "preferencialmente" ligada ao ensino, informou esta terça-feira o Ministério da Defesa.

"Qualquer solução que se venha a colocar no futuro passará, sempre, por devolver o edifício à população e será analisada" com a autarquia, adiantou o Ministério, que está a rever a Lei de Programação de Infra-estruturas Militares (LPIM).

A LPIM, cuja proposta de revisão é analisada esta tarde pelo Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN), destina-se a gerir o uso do património imobiliário afeto às Forças Armadas e já sem uso militar.

Para o Mosteiro de Odivelas, onde se encontra o túmulo do rei D. Dinis, "não estão previstos quaisquer planos de ocupação e cedência" das instalações ocupadas pelo Instituto de Odivelas (IO) desde o início do século XX, assegurou o Ministério da Defesa, lembrando que se trata de um edifício classificado como monumento nacional "sujeito ao cumprimento de legislação própria".

A eventual alienação do mosteiro a entidades privadas tem sido um argumento invocado pelos defensores daquele estabelecimento militar de ensino para contestar a reforma do ministro José Pedro Aguiar-Branco, que extingue o IO no final deste ano letivo.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.