Critérios à medida para administração pública

Na avalanche de concursos abertos para a administração pública, nas últimas semanas - que estão sob avaliação da Comissão de Recrutamento e Seleção da Administração Pública (CRESAP) - há critérios apontados e preferências definidas que apontam para cargos à medida. Dá-se preferência, por exemplo, a quem tenha desempenhado "cargos de dependência direta de membro do governo" e noutro "a prestação de apoio técnico especializado aos membros dos gabinetes do Ministério das Finanças".

Dá-se preferência, por exemplo, a quem tenha desempenhado "cargos de dependência direta de membro do governo" e noutro "a prestação de apoio técnico especializado aos membros dos gabinetes do Ministério das Finanças".

Interpelados pelo DN, os gabinetes governamentais justificaram-se com a lei orgânica dos ministérios e com os termos dos concursos aprovados pela CRESAP, a quem cabe "definir os critérios finais dos candidatos aos diferentes concursos e não ao Governo", como explicou o Ministério da Solidariedade, Emprego e da Segurança Social.

Já o presidente da Comissão, João Bilhim, remete a definição do perfil "nos termos da lei [para] o membro do Governo", embora sublinhe que "o júri, pode e deve alterar se encontrar erro grosseiro ou algo que para o júri cheire a fotografia". E adiantou que os júris já alteraram "cerca de 50% dos perfis" (ver texto ao lado), admitindo agora erros cometidos, que justifica com "o facto de no mês do Natal" terem sido abertos "cerca de 200 concursos".

(Leia mais pormenores no e-paper do DN)

Exclusivos