Criadas 17 mil novas vagas em creches

Na primeira aula da Escola de Quadros do CDS, o ministro Luís Pedro Mota Soares encheu a cabeça dos 'jotinhas' com a política social do partido. Deixou muitos números, fez um balanço de mandato e anunciou uma nova legislação para a profissão de ama.

Perante uma plateia de 150 jovens quadros do CDS, uns a tomar nota em blocos, outros com iPad, o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, mostrou que não tem muito jeito para dar aulas. É demasiado rápido a falar e é complicado tomar notas. Mas a ideia não era bem dar uma 'lição' aos 'jotinhas'. Como já tinha sido antes anunciado pela organização, cada um dos quatro dias será a "rentreé" de um governante do CDS.

Por isso Mota Soares, no seu balanço de mandato, salientou as 17 mil novas vagas que conseguiu criar em creches, nos seus três anos de Governo. O apoio às famílias foi, aliás, a tónica do seu discurso/aula. A começar pelo anúncio de uma nova legislação, "a aprovar muito em breve em Conselho de Ministros", segundo o seu porta-voz oficial, de enquadramento das amas que, trabalhando por conta própria, não estão ligadas a nenhuma entidade da segurança social. "Vamos criar uma nova profissão, regular uma atividade existente, criando novos postos de trabalho e aumentando a oferta de serviço à família. A atividade das amas passa a estar aberta ao mercado, deixando de estar exclusivamente na esfera pública".

O ministro explicou que essas amas vão ter se necessário "formação específica para que possam receber até quatro crianças em condições de segurança e qualidade habituais". Mota Soares destacou ainda a descida da taxa de desemprego. "Querem saber um facto que não se vê nos jornais?" questionou, retoricamente. "Nestes três anos de governação o desemprego que temos face ao que herdámos é de mais 1,4 pontos percentuais. Certamente que não é bom. Mas em seis anos de governação socialista o desemprego subiu 4,3 pontos percentuais. O PS teve no dobro do tempo uma subida três vezes superior à nossa e num período que se dizia melhor."