Costa protege Sampaio da Nóvoa

António Costa recusa para Sampaio da Nóvoa o epíteto de "esquerdista", reclama-o como próximo de todo o PS e não só da direção, e acha "incompreensível" que se diga que um candidato tem de vir de um partido.

Entrevistado pela Visão, que publicará amanhã a entrevista mas hoje já disponibilizou excertos online, o líder do PS reafirma que Sampaio da Nóvoa é uma pessoa pela qual tem "muita estima".

Depois protege-o de qualificativos que têm sido usados para qualificar a sua candidatura: "Não o revejo na caricatura esquerdista com que tem sido apresentado."

E mais: acha "incomprensível que numa eleição por natureza proposta por cidadãos e que apela aos princípios da cidadania se defenda que só têm direito a candidatar-se os nascidos e criados nas estruturas partidárias".

Para o líder do PS "já há um candidato assumido e próximo da família socialista" e esse candidato é Sampaio da Nóvoa (e não Henrique Neto, como lhe perguntam na entrevista). Alias, segundo sublinha, a associação de Nóvoa ao PS não é algo que tenha sido exclusivamente promovido pela sua direção: " A sua participação em iniciativas do PS não se limita ao discurso proferido no último congresso. Já participara em iniciativas de António José Seguro e de José Sócrates."

Face à possibilidade de Maria de Belém, ex-presidente do PS, avançar, Costa recorda que o PS se "orgulha muito da sua pluralidade". O partido, afirma, "tem tido, em matéria de presidenciais, uma história de liberdade: já apoiou um candidato contra a vontade do líder, que se autossuspendeu durante a campanha [apoio a Ramalho Eanes, em 1981, com o desacordo de Mário Soares], já teve dois candidatos ambos militantes [Mário Soares e Manuel Alegre em 2006], etc".

Costa pretende também com a entrevista por um ponto final na controvérsia dos cartazes, que levaram à substituição do diretor de campanha do PS (saiu Ascenso Simões, entrou Duarte Cordeiro: "Tratou-se de uma sucessão de equívocos, um caso lamentável e, por isso, pedimos desculpa."

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.