Costa agora é "claramente" o candidato de Zorrinho

O líder da delegação do PS no Parlamento Europeu, Carlos Zorrinho, garantiu hoje que, face à vitória clara alcançada domingo nas eleições primárias no PS, António Costa é agora "claramente" o seu candidato, embora apoiasse António José Seguro.

No dia seguinte ao triunfo de António Costa nas eleições primárias para escolher o candidato do PS a primeiro-ministro, com cerca de 70 por cento dos votos, Zorrinho, que apoiava António José Seguro, disse hoje, em Bruxelas, que, tal como sempre afirmara, estará a partir de agora do lado do vencedor, e disse acreditar que "os os portugueses vão poder contar com uma alternativa forte nas próximas eleições".

"Todos sabem que apoiei António José Seguro", disse, acrescentando que, no entanto, também foi sempre claro ao afirmar que, "ganhasse quem ganhasse", a partir desse momento esse seria o seu candidato, e que preferia que quem ganhasse o fizesse "de uma forma clara".

"Ganhou António Costa de uma forma clara. Portanto, é claramente agora o nosso candidato a primeiro-ministro e o nosso candidato a mudar Portugal", declarou.

Questionado sobre se António Costa poderá contar então com o apoio da delegação do PS ao Parlamento Europeu - uma vez que a maioria dos eurodeputados socialistas eram apoiantes de Seguro -, Zorrinho sublinhou que, enquanto deputados ao Parlamento Europeu, a posição sobre esta questão é individual, limitando-se a reiterar a sua: "António Costa tem o meu apoio".

"Ontem (domingo), o PS deu uma demonstração de vitalidade extraordinária, e chegou o momento agora de nos focarmos todos naquilo que os portugueses esperam de nós, que é resolver os problemas concretos dos portugueses", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.