Costa agora é "claramente" o candidato de Zorrinho

O líder da delegação do PS no Parlamento Europeu, Carlos Zorrinho, garantiu hoje que, face à vitória clara alcançada domingo nas eleições primárias no PS, António Costa é agora "claramente" o seu candidato, embora apoiasse António José Seguro.

No dia seguinte ao triunfo de António Costa nas eleições primárias para escolher o candidato do PS a primeiro-ministro, com cerca de 70 por cento dos votos, Zorrinho, que apoiava António José Seguro, disse hoje, em Bruxelas, que, tal como sempre afirmara, estará a partir de agora do lado do vencedor, e disse acreditar que "os os portugueses vão poder contar com uma alternativa forte nas próximas eleições".

"Todos sabem que apoiei António José Seguro", disse, acrescentando que, no entanto, também foi sempre claro ao afirmar que, "ganhasse quem ganhasse", a partir desse momento esse seria o seu candidato, e que preferia que quem ganhasse o fizesse "de uma forma clara".

"Ganhou António Costa de uma forma clara. Portanto, é claramente agora o nosso candidato a primeiro-ministro e o nosso candidato a mudar Portugal", declarou.

Questionado sobre se António Costa poderá contar então com o apoio da delegação do PS ao Parlamento Europeu - uma vez que a maioria dos eurodeputados socialistas eram apoiantes de Seguro -, Zorrinho sublinhou que, enquanto deputados ao Parlamento Europeu, a posição sobre esta questão é individual, limitando-se a reiterar a sua: "António Costa tem o meu apoio".

"Ontem (domingo), o PS deu uma demonstração de vitalidade extraordinária, e chegou o momento agora de nos focarmos todos naquilo que os portugueses esperam de nós, que é resolver os problemas concretos dos portugueses", concluiu.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.