Conselho Nacional do PSD reúne-se esta noite

O PSD reúne hoje o Conselho Nacional para fazer a "análise da situação política", dias antes de o Orçamento do Estado para 2012 começar a ser discutido na Assembleia da República.

O último Conselho Nacional social-democrata ficou marcado pela afirmação então feita pelo presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho, do "desvio" das metas orçamentais do país que exigiria um trabalho "colossal".

A expressão "colossal" esteve aliás envolvida em polémica, tendo sido divulgadas pelo PSD imagens dessa reunião de 12 de Julho para comprovar que o primeiro-ministro não tinha usado a expressão "desvio colossal", mas sim, "esforço colossal".

"Para mim não foi uma surpresa, mas há muitas pessoas que ficaram surpreendidas com o desvio que encontraram face àquilo que foi criado como expectativa pelo Governo anterior. O trabalho que o Governo vai ter de fazer para recuperar o desvio que existe quanto às metas orçamentais que estavam previstas é colossal, é realmente muito, muito grande", afirmou Passos Coelho, de acordo com as imagens divulgadas.

Primeiro, tinha sido feito um relato da intervenção aos jornalistas presentes no local, segundo o qual o primeiro-ministro teria afirmado, a propósito das contas públicas, que os membros do seu Governo ficaram "surpreendidos com o desvio que encontraram em relação ao que o anterior executivo dizia", acrescentando tratar-se de "um desvio colossal em relação às metas estabelecidas".

O Conselho Nacional do PSD reúne pelas 21:30, num hotel de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.