Como Passos e outros governantes apelaram à emigração

(COM VÍDEO) Passos Coelho disse hoje em Paris que "ninguém" no Governo "aconselhou os portugueses a emigrarem". Mas a verdade é que tanto o primeiro-ministro, como outros membros do seu Executivo já falaram no estrangeiro como uma forma de arranjar emprego.

Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro

Em dezembro de 2011, numa entrevista ao Correio da Manhã, Passos Coelho aconselhou a emigração aos professores desempregados. "Angola, mas não só Angola, o Brasil também, tem uma grande necessidade ao nível do ensino básico e do ensino secundário de mão de obra qualificada e de professores.Sabemos que há muitos professores em Portugal que não têm nesta altura ocupação e o próprio sistema privado não consegue ter oferta para todos. Nos próximos anos haverá muita gente em Portugal que ou consegue nessa área fazer formação e estar disponível para outras áreas ou querendo-se manter, sobretudo como professores, podem olhar para todo o mercado de língua portuguesa e encontrar aí uma alternativa"

A defesa de Passos feita Miguel Relvas e Carlos Abreu Amorim

Alexandre Mestre, secretário de Estado da Juventude e Desporto

No dia 31 de outubro de 2011, Alexandre Mestre, secretário de Estado do Desporto, disse no Brasil que disse que os jovens portugueses desempregados, em vez de ficarem na "zona de conforto", poderiam emigrar, noticiou a Lusa. "Se estamos no desemprego, temos de sair da zona de conforto e ir para além das nossas fronteiras", disse o governante à Lusa, acrescentando que o país não pode olhar a emigração apenas com a visão negativista da "fuga de cérebros".

A 6 de novembro, em entrevista dada ao Correio da Manhã, Alexandre Mestre desmentiu estas declarações, mas a Lusa manteve-as.

Miguel Relvas, ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares

A 16 de novembro de 2011, a oposição pediu a Relvas para comentar as declarações de Alexandre Mestre. A resposta foi esta:

"Quem entende que tem condições para encontrar [oportunidades] fora do seu país, num prazo mais ou menos curto, sempre com a perspectiva de poder voltar, mas que pode fortalecer a sua formação, pode conhecer outras realidades culturais, [isso] é extraordinariamente positivo", declarou.

"Nós temos hoje uma geração extraordinariamente bem preparada, na qual Portugal investiu muito. A nossa economia e a situação em que estamos não permitem a esses activos fantásticos terem em Portugal hoje solução para a sua vida activa. Procurar e desafiar a ambição é sempre extraordinariamente importante", prosseguiu Relvas.

Mas as intervenções de Miguel Relvas sobre a emigração continuaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.