CDU: Sondagens publicadas são "coisas baratas"

Jerónimo de Sousa disse esta tarde, em Évora, que as sondagens divulgadas ao longo da campanha são "coisas baratas" que não passam de amostras ou barómetros.

Essas sondagens "não são sondagens, são amostras, são barómetros, enfim, coisas baratas onde 300 pessoas são auscultadas", mas que servem para afirmar depois "o crescimento da direita" e para o PS fazer "apelo ao voto útil", criticou o líder da CDU, num comício no Teatro Garcia de Resende.

Jerónimo de Sousa reafirmou as críticas, feitas horas antes em Alpiarça, contra o apelo às maiorias absolutas ou ao voto útil por parte do PS e da coligação PSD/CDS "para alcançar a estabilidade governativa".

Mas muitos portugueses "não perderam a memória" e lembram-se que as maiorias absolutas já formadas, se trouxeram "estabilidade política", também "infernizaram a vida" das pessoas e por isso resultaran na "derrota politica e na derrota eleitoral" desses partidos, adiantou o secretário-geral do PCP.

Acresce que "palavra dada é palavra honrada", pelo que "a nossa opção é estar do lado dos trabalhadores e do povo e não do grande capital" - numa nova afirmação da recusa da CDU em aliar-se ao PS, independentemente de isso poder redundar num novo governo de direita, como alegam muitos socialistas e até comunistas.