CDS reúne-se para analisar chumbo do TC e europeias

O CDS-PP reúne hoje o Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, para avaliar o chumbo de três normas orçamentais pelo Tribunal Constitucional e as europeias de 25 de maio, em que perdeu um eurodeputado face a 2009.

Fonte do CDS-PP disse à Lusa que o líder do partido e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, "fará uma avaliação das questões políticas suscitadas pelo acórdão do Tribunal Constitucional (TC)" na abertura da reunião do Conselho Nacional, que se realiza à noite, em Lisboa.

Num acórdão divulgado na sexta-feira, o TC declarou inconstitucionais três normas do Orçamento do Estado para 2014: os cortes nos salários do setor público acima dos 675 euros, a alteração do cálculo das pensões de sobrevivência e a aplicação de taxas de 5% sobre o subsídio de doença e de 6% sobre o subsídio de desemprego.

No sábado, em resposta aos jornalistas, em Lisboa, o vice-primeiro-ministro considerou que a decisão do TC terá consequências "sérias" e remeteu para mais tarde uma "opinião definitiva" sobre o assunto, afirmando que iria reler o acórdão e ouvir conselhos.

O Conselho Nacional vai também debater a derrota eleitoral nas europeias de 25 de maio, às quais o CDS-PP concorreu em conjunto com o PSD e elegeu Nuno Melo, que era o quarto da lista, tendo perdido um lugar no Parlamento Europeu em relação às eleições europeias de 2009.

A coligação PSD/CDS-PP Aliança Portugal obteve cerca de 909 mil votos, aproximadamente 27,7% do universo de votantes, elegendo no total sete eurodeputados - menos um do que o PS, que foi o partido mais votado, com cerca de 1.033 mil votos, perto de 31,5% do universo de votantes, numas eleições em que a abstenção atingiu os 66%.

Na comissão política, que se reuniu na passada terça-feira, o CDS-PP reconheceu que o resultado das europeias da coligação Aliança Portugal foi "historicamente baixo", mas sublinhou que não houve transferência de voto para a esquerda e mostrou-se determinado em recuperar a confiança dos eleitores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.