CDS reúne-se para analisar chumbo do TC e europeias

O CDS-PP reúne hoje o Conselho Nacional, órgão máximo entre Congressos, para avaliar o chumbo de três normas orçamentais pelo Tribunal Constitucional e as europeias de 25 de maio, em que perdeu um eurodeputado face a 2009.

Fonte do CDS-PP disse à Lusa que o líder do partido e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, "fará uma avaliação das questões políticas suscitadas pelo acórdão do Tribunal Constitucional (TC)" na abertura da reunião do Conselho Nacional, que se realiza à noite, em Lisboa.

Num acórdão divulgado na sexta-feira, o TC declarou inconstitucionais três normas do Orçamento do Estado para 2014: os cortes nos salários do setor público acima dos 675 euros, a alteração do cálculo das pensões de sobrevivência e a aplicação de taxas de 5% sobre o subsídio de doença e de 6% sobre o subsídio de desemprego.

No sábado, em resposta aos jornalistas, em Lisboa, o vice-primeiro-ministro considerou que a decisão do TC terá consequências "sérias" e remeteu para mais tarde uma "opinião definitiva" sobre o assunto, afirmando que iria reler o acórdão e ouvir conselhos.

O Conselho Nacional vai também debater a derrota eleitoral nas europeias de 25 de maio, às quais o CDS-PP concorreu em conjunto com o PSD e elegeu Nuno Melo, que era o quarto da lista, tendo perdido um lugar no Parlamento Europeu em relação às eleições europeias de 2009.

A coligação PSD/CDS-PP Aliança Portugal obteve cerca de 909 mil votos, aproximadamente 27,7% do universo de votantes, elegendo no total sete eurodeputados - menos um do que o PS, que foi o partido mais votado, com cerca de 1.033 mil votos, perto de 31,5% do universo de votantes, numas eleições em que a abstenção atingiu os 66%.

Na comissão política, que se reuniu na passada terça-feira, o CDS-PP reconheceu que o resultado das europeias da coligação Aliança Portugal foi "historicamente baixo", mas sublinhou que não houve transferência de voto para a esquerda e mostrou-se determinado em recuperar a confiança dos eleitores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.