"CDS e PSD são as duas faces da mesma moeda", aponta Costa

Encontro entre socialistas e centristas marcado por divergências. CDS responde que o PS de 2015 é a face da mesma moeda do PS de 2009.

A conversa foi agradável, como disse António Costa, e de cortesia, como apontou Nuno Melo, mas no final o secretário-geral do PS e o vice-presidente do CDS convergiram que, agora, há mais a separar os dois partidos que a aproximar.

Falando no final de uma reunião pedida pelos socialistas para apresentação de cumprimentos da nova liderança, na sede do CDS, António Costa afirmou aos jornalistas que "não há pontos de convergência" com os centristas. E explicou-se: "O CDS e o PSD são as duas faces da mesma moeda da política seguida pelo Governo. Admito que haja alguns arrufos [na maioria], mas nessas matérias não me meto."

Perante esta crítica, Nuno Melo responderia que, depois da reunião em que esteve Paulo Portas, tinha ficado a ideia de que "o PS de 2015 e o PS de 2011, esses sim, são a face da mesma moeda". Estava dado o troco, mas sublinhando aquilo que é a coligação. "O país bem vê que PSD e CDS se distinguem abundantemente."

Um e outro tinham sido interpelados sobre se, na mesa da reunião, tinha estado uma proposta idêntica àquela que fez o PSD ao PS, na segunda-feira passada, de uma plataforma de diálogo permanente, que os centristas desconheciam e os socialistas rejeitaram. Costa preferiu sublinhar que "o diálogo político é fundamental" mas que este não pode ser confundido "com condições de governabilidade". "Não há nada pior para a democracia que a ideia que não há alternativas" e que essa "é uma opção" que só os portugueses podem fazer.

Já Nuno Melo repetiu-se quatro vezes para dizer que "o CDS sabe muito bem onde está e com quem está". E sublinhando que "o CDS sempre valorizou a cultura de compromisso", notou que num passado recente os socialistas não estiveram disponíveis para esse empenho, recordando a reforma do IRS e o rompimento no acordo que existia desde há um ano na reforma do IRC.\

Pelos socialistas, estiveram António Costa, Ferro Rodrigues e Porfírio Silva, do lado do CDS, os anfitriões foram Paulo Portas, Nuno Melo e Nuno Magalhães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.