Cavaco Silva quer que a política seja bem paga

O Presidente defende os mais qualificados e mais bem remunerados, criticando um sistema que favorece "aqueles que já estão instalados nos aparelhos partidários". E alertou: o risco é de "implosão do sistema partidário"

Contra o"carreirismo" e o "oportunismo" o Presidente da República defendeu ontem que o exercício de cargos públicos deve ser mais bem remunerado. Cavaco Silva falava na cerimónia de comemoração dos 104 anos da implantação da República e assinalou que existe "uma repulsa cada vez maior dos cidadãos mais qualificados pelo exercício de funções públicas". E entre as razões invocadas destacou o facto de o setor privado ser, "em regra, mais bem remunerado".

O PSD dá cobertura à tese do Chefe do Estado. Ao DN, um membro da direção de Passos Coelho lamenta que em Portugal toda a classe política seja vista como "um bando de vigaristas", pelo que compreende as palavras de Cavaco. "Porquê fustigar sempre os políticos, como se fossem todos uns malandros?", questiona a mesma fonte, para quem não é possível pagar "2000 euros [líquidos] aos deputados e depois esperar que optem por ir para o Parlamento sem fazer mais nada da vida".

LEIA MAIS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.