Cavaco Silva foi "envergonhante"

José Sócrates voltou ontem ao seu ódio de estimação, Cavaco Silva. Comentando a semana política na RTP 1, o ex-primeiro-ministro pegou pelo facto de o Presidente da República não ter referenciado José Saramago quando, na semana passada, inaugurou um pavilhão português na Feira Internacional do Livro de Bogotá, Colômbia.

Foi "humilhante", "envergonhante", um gesto "imperdoável", disse o ex primeiro-ministro, para quem Cavaco Silva não pode, enquanto Chefe do Estado, ter "ódios de estimação" ou deixar-se condicionar pelos seus "gostos literários" pessoais.

Como habitualmente, Sócrates mostrou-se muito crítico com o Governo. No seu entender, o Conselho de Ministros de onze horas na semana passada, só provou, dada a falta de resultados, que "os ministros não se entendem". "Onze horas é tempo demais para decidir não decidir", afirmou.

Segundo acrescentou, as tentativas governamentais para novas pontes com o PS só provam que "o Governo já não tem condições para governar sosinho". Mas - acrescentou - "não há margem para consensos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.