Cavaco recebido com protesto em Famalicão

O Presidente da República foi hoje de manhã recebido com protestos, em Lousado, Vila Nova de Famalicão, por mais de meia centena de manifestantes que exigiam a Cavaco Silva a "demissão imediata" do Governo.

No Minho, onde se deslocou para a inauguração das novas instalações da fábrica alemã Leica, Cavaco Silva tinha à espera um grupo de sindicalistas, afetos à CGTP, que envergavam cartazes com apelos à demissão do Governo por "razoes de saúde pública".

Em declarações à agência Lusa, o presidente da União de Sindicatos de Braga, Joaquim Daniel, explicou que "está na hora dele [Cavaco Silva] fazer aquilo para que foi eleito e acabar com este Governo que só tem atacado os trabalhadores".

As instalações hoje inauguradas por Cavaco Silva representam um investimento de 22,5 milhões de euros da marca alemã, em Portugal desde a década de 70, que além de máquinas fotográficas produz equipamentos ópidos.

Esta nova unidade fabril ocupa uma área de 52 mil metros quadrados, dos quais 13,6 mil metros quadrados são para a área de produção.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?