Cavaco condecora Nelly Furtado e outros luso-canadianos

O Presidente da República condecora hoje, em Toronto, seis personalidades portuguesas e luso-canadianas, entre as quais a cantora Nelly Furtado, e duas instituições, durante um encontro com a comunidade portuguesa no Canadá.

Segundo a Presidência da República, a cantora de nacionalidade portuguesa e canadiana Nelly Furtado será condecorada com a comenda da Ordem do Infante D. Henrique.

Nelly Furtado, que nasceu no Canadá, é filha de pais portugueses, oriundos dos Açores e ao longo dos últimos anos já vendeu mais de 20 milhões de discos. Compôs a canção "Força", hino da Seleção Nacional de Futebol no Campeonato Europeu de 2004, disputado em Portugal e, entre outros prémios internacionais, foi distinguida com um Grammy nos EUA.

Outra das personalidades que será agraciada hoje pelo chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, é a professora da Universidade de Toronto Ana Paula Lopes, que tem nacionalidade portuguesa e canadiana.

Ana Paula Lopes, que será condecorada como comendadora da Ordem do Mérito, é também presidente da Orquestra Sinfónica de Toronto e criou em 1993, juntamente com o marido, o escritor canadiano Don Tapscott, a Cadeira Tapscott em Estudos sobre a Esquizofrenia. Fundou várias instituições humanitárias de apoio às mulheres e crianças vítimas de violência doméstica e foi já distinguida com a Ordem do Canadá. Recentemente, a Women's Executive Network elegeu-a "uma das 100 mulheres mais influentes do Canadá em 2013".

O banqueiro Duarte Manuel Ponte Miranda será distinguido como comendador da Ordem do Mérito. De nacionalidade portuguesa e canadiana, nasceu em São Miguel, nos Açores, e fixou-se em Montréal, Canadá, com a família, nos anos 60. Atualmente reformado, foi vice-presidente executivo do Royal Bank of Canada e presidiu ao grupo de trabalho sobre o comércio mundial da Câmara de Comércio do Montréal Metropolitano.

O empresário e gestor de nacionalidade portuguesa e canadiana Emanuel Linhares será condecorado como comendador da Ordem do Mérito. A viver desde 1981 em Montreal, o empresário natural dos Açores fundou com a mulher a mulher a empresa "JOEM Accountants". É presidente do conselho de administração da Caixa Económica Portuguesa de Montréal, bem como do Congresso Nacional Luso-Canadiano.

Igualmente agraciado com o título de comendador da Ordem do Mérito será o empresário da construção civil Manuel Augusto da Costa, que tem também nacionalidade portuguesa e canadiana.

A única tuna existente na América do Norte, a Luso-Can Tuna, será agraciada como membro honorário da Ordem do Mérito. Fundada em 1998, é constituída por jovens luso-descendentes.

A Luso-Canadian Charitable Society, fundada em 2003, e liderada por elementos da comunidade portuguesa, será também agraciada com o título de membro honorário da Ordem do Mérito. É o único centro de apoio social e médico, sem fins lucrativos, existente no Canadá, ajudando portugueses e luso-descendentes idosos ou portadores de deficiência, motora ou mental. A associação tem centros em Toronto e Hamilton.

A gestora bancária de nacionalidade portuguesa Ana Ochôa Baptista será condecorada como oficial da Ordem do Mérito Empresarial - Classe do Mérito Comercial. A gestora chefia a representação da Caixa Geral de Depósitos no Canadá desde 2010 e tem também se dedicado ao trabalho comunitário. Esteve ligada ao lançamento das Conferências da Primavera, destinadas a promover o intercâmbio entre empresários e agentes económicos de Portugal e do Canadá.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.