Cavaco anfitrião de oito chefes de Estado em Braga

O ex-Presidente Jorge Sampaio, fundador do grupo em 2003, foi convidado por Cavaco Silva para orador do painel relativo à Imigração. Em dois dias nove chefes de Estado da UE debatem o futuro da Europa. Tudo a título informal.

Arrancou esta manhã em Braga o 10º Encontro Informal de Chefes de Estado do Grupo de Arraiolos, tendo o Presidente da República, Cavaco Silva, iniciado o dia com um pequeno-almoço de trabalho com o seu homólogo finlandês, Sauli Niinistö.

Ao longo de dois dias em Braga nove chefes de Estado da União Europeia vão debater o futuro da Europa, com especial destaque para os temas da Energia (em que o key note speaker será o presidente polaco, Bronislaw Komorowski), da Imigração (onde o antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, será o orador), e ainda "o papel da investigação e inovação na promoção do crescimento, da competitividade e na criação de emprego", a cargo do presidente do país da Nokia: Sauli Niinistö.

Antes do início da "cimeira", esta manhã Cavaco Silva ainda terá uma reunião bilateral com o seu homólogo búlgaro, Rosen Plevneliev. Isto porque o programa oficial arranca apenas ao início da tarde, quando vão começar a chegar ao Mosteiro de Tibães, em Braga, os nove chefes de Estado deste encontro informal. Presentes estarão Cavaco Silva (o anfitrião), Joachim Gauk (Alemanha), Heinz Fisher (Áustria), Sauli Niinistö (Finlândia), Janos Áder (Hungria), Andris Berzins (Letónia), Bronislaw Komorowski (Polónia), Rosen Plevneliev (Bulgária) e Toomas Hendrik IIves (Estónia).

O grupo de Arraiolos, um grupo informal criado em 2003 por Jorge Sampaio na vila portuguesa que lhe dá nome, volta assim a Portugal. Fonte da presidência explicou que uma vez que estava em causa o tema da imigração e que Jorge Sampaio é o fundador do grupo "o Presidente entendeu que fazia todo o sentido convidá-lo a participar".

O tema da Energia também ganhará especial relevância devido à conjuntura de crise da Ucrânia. A base do encontro, que reúne presidentes sem poder executivo na Europa, mantém, no entanto, o cariz de informalidade. O objetivo é não fazer "contra-poder" com as instituições comunitárias, daí que o grupo não tenha sequer estatutos nem exista formalmente.

Itália e Eslovénia, também membros do grupo, não estarão presentes neste encontro. Por outro lado, a Bulgária e a Estónia participam pelo segundo ano consecutivo com o estatuto de "convidados especiais".

O encontro termina amanhã com uma conferência de imprensa conjunta de todos os chefes de Estado. Pelo meio dos painéis de debate há algumas iniciativas diplomáticas, bem como momentos culturais, como um momento musical de Ana Moura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.