Cavaco anfitrião de oito chefes de Estado em Braga

O ex-Presidente Jorge Sampaio, fundador do grupo em 2003, foi convidado por Cavaco Silva para orador do painel relativo à Imigração. Em dois dias nove chefes de Estado da UE debatem o futuro da Europa. Tudo a título informal.

Arrancou esta manhã em Braga o 10º Encontro Informal de Chefes de Estado do Grupo de Arraiolos, tendo o Presidente da República, Cavaco Silva, iniciado o dia com um pequeno-almoço de trabalho com o seu homólogo finlandês, Sauli Niinistö.

Ao longo de dois dias em Braga nove chefes de Estado da União Europeia vão debater o futuro da Europa, com especial destaque para os temas da Energia (em que o key note speaker será o presidente polaco, Bronislaw Komorowski), da Imigração (onde o antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, será o orador), e ainda "o papel da investigação e inovação na promoção do crescimento, da competitividade e na criação de emprego", a cargo do presidente do país da Nokia: Sauli Niinistö.

Antes do início da "cimeira", esta manhã Cavaco Silva ainda terá uma reunião bilateral com o seu homólogo búlgaro, Rosen Plevneliev. Isto porque o programa oficial arranca apenas ao início da tarde, quando vão começar a chegar ao Mosteiro de Tibães, em Braga, os nove chefes de Estado deste encontro informal. Presentes estarão Cavaco Silva (o anfitrião), Joachim Gauk (Alemanha), Heinz Fisher (Áustria), Sauli Niinistö (Finlândia), Janos Áder (Hungria), Andris Berzins (Letónia), Bronislaw Komorowski (Polónia), Rosen Plevneliev (Bulgária) e Toomas Hendrik IIves (Estónia).

O grupo de Arraiolos, um grupo informal criado em 2003 por Jorge Sampaio na vila portuguesa que lhe dá nome, volta assim a Portugal. Fonte da presidência explicou que uma vez que estava em causa o tema da imigração e que Jorge Sampaio é o fundador do grupo "o Presidente entendeu que fazia todo o sentido convidá-lo a participar".

O tema da Energia também ganhará especial relevância devido à conjuntura de crise da Ucrânia. A base do encontro, que reúne presidentes sem poder executivo na Europa, mantém, no entanto, o cariz de informalidade. O objetivo é não fazer "contra-poder" com as instituições comunitárias, daí que o grupo não tenha sequer estatutos nem exista formalmente.

Itália e Eslovénia, também membros do grupo, não estarão presentes neste encontro. Por outro lado, a Bulgária e a Estónia participam pelo segundo ano consecutivo com o estatuto de "convidados especiais".

O encontro termina amanhã com uma conferência de imprensa conjunta de todos os chefes de Estado. Pelo meio dos painéis de debate há algumas iniciativas diplomáticas, bem como momentos culturais, como um momento musical de Ana Moura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)