Carlos César eleito presidente do PS

Em 1001 votantes, o ex-presidente do Governo Regional dos Açores recolheu 985 votos. Sucede no cargo a Maria de Belém, que abriu os trabalhos.

Carlos César é o novo presidente do PS, anunciou o presidente da Comissão Organizadora do Congresso socialista, Joaquim Raposo.

Dos 1001 militantes do PS que votaram, o antigo presidente do Governo Regional dos Açores recolheu 985 votos.

Carlos César sucede a Maria de Belém, que abriu os trabalhos do XX congresso do PS recordando que chegou a presidente por convite do anterior líder do partido, António José Seguro.

Segundo disse, o PS saiu "reforçado" das primárias e mais uma vez "demonstrou" o seu "arrojo" ao inaugurar um método inovador de eleições. Citando Maria de Lurdes Pintasilgo afirmou: "Não há limites para o aprofundamento da democracia."

Sem nunca referir o caso Sócrates, desejou "felicidades" a Costa e a César. E concluiu: "Até sempre, camaradas."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.