Carlos César acusa Cavaco Silva de "ignorância"

O ex-presidente do Governo açoriano Carlos César acusou hoje o Presidente da República de "ignorância" por convocar o Conselho de Estado para o Dia dos Açores e lamentou que Cavaco Silva e o primeiro-ministro tenham esquecido a data.

Falando no final da sessão solene do Dia da Região Autónoma dos Açores, realizada na sede do Parlamento açoriano, na cidade da Horta, no Faial, o ex-presidente dos governos regionais socialistas dos Açores lamentou que as principais figuras do Estado não tenham, sequer, enviado mensagens aos órgãos próprios da Região a propósito desta data.

"O significado maior do facto do Presidente da República e, atente-se, também do primeiro-ministro, não terem enviado mensagens nestes dias, não é que sejam nossos inimigos, é de que nem sequer nos conhecem", lamentou Carlos César, em declarações aos jornalistas.

O ex-presidente do governo açoriano, que foi condecorado hoje com a "insígnia autonómica de valor", depois de ter completado quatro mandatos como líder do executivo regional, acusou também Cavaco Silva de revelar "ignorância", ao convocar o Conselho de Estado para o Dia dos Açores.

"A convocação do Conselho de Estado para hoje é a manifestação dessa ignorância, desse abandono secular, dessa desnecessidade que algumas instituições da administração central adotam", apontou Carlos César, para quem os mais altos responsáveis políticos do país parecem estar "divorciados do país real".

Além de Carlos César, foram também condecoradas, durante a cerimónia do Dia da Região, outras 36 individualidades e instituições por se terem destacado nos Açores ou na diáspora, nas áreas profissional, cívica, religiosa, cultural ou desportiva.

Por coincidir com o Dia da Região Autónoma dos Açores, o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, não estará hoje no Conselho de Estado convocado pelo Presidente da República para as 17:00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.