Capitães de Abril recusam ser "cereja no topo do bolo"

O presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, disse hoje que os capitães de Abril não queriam ser a "cereja no topo do bolo" nas comemorações no parlamento, estando presentes sem usar da palavra.

"Perante a insistência da senhora Presidente [da Assembleia da República], admitimos a hipótese de estar [na sessão solene] se pudéssemos dizer aquilo que pensamos da situação. Não foi considerado, tudo bem. O problema já não é nosso", disse Vasco Lourenço aos jornalistas no final de uma homenagem no parlamento ao capitão de Abril e deputado Marques Júnior.

Na sessão solene, "onde se discute a política geral", diz Vasco Lourenço, os militares consideraram que "não se pode fazer um parêntesis para se baterem palmas aos capitães de Abril" e estes serem "a cereja no topo do bolo".

"A situação no país, a política seguida, não tem nada que ver com o 25 de Abril", advoga Vasco Lourenço.

O presidente da Associação 25 de Abril afirmou recentemente que só aceitaria estar presente na sessão solene comemorativa da revolução caso um representante dos capitães de Abril pudesse discursar.

Confrontada pelos jornalistas com esta posição, a presidente do parlamento, Assunção Esteves, respondeu que convidou a Associação para estar presente na sessão solene e que se os militares impõem a condição de falar "o problema é deles".

Dias depois, Assunção Esteves anunciou uma visita às instalações da Associação 25 de Abril, para um "encontro de afeto" com o coronel Vasco Lourenço.

No final da visita, na quarta-feira passada, Assunção Esteves afirmou que "o carinho e a gratidão sem limites" que o parlamento deve aos capitães de Abril nunca esteve em causa.

Depois do encontro, a presidente da Assembleia da República reuniu-se com os líderes parlamentares sobre este tema mas a reunião terminou sem consenso para que um representante dos capitães de Abril pudesse falar.

Perante esta posição, o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, irá fazer a intervenção que faria na Assembleia da República no largo do Carmo, em Lisboa, numa evocação a Salgueiro Maia em que desafia "toda a população" a participar.

Após esse tributo, será feita uma "romagem ao edifício onde funcionava a PIDE/DGS, na Rua António Maria Cardoso, para evocação da memória dos cidadãos ali assassinados no fim da tarde de 25 de Abril".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.