Capitães de Abril não discursam no Parlamento

A reunião da Presidente da Assembleia da República (AR) com os líderes parlamentares terminou hoje sem consenso para que um representante dos capitães de Abril discurse no parlamento na sessão comemorativa dos 40 anos da Revolução dos Cravos.

O resultado da reunião, que se iniciou pouco depois das 19:00 e durou cerca de uma hora, foi revelado num comunicado divulgado pelo gabinete de Assunção Esteves.

"Em reunião, que hoje se realizou ao fim da tarde entre a presidente do parlamento e os representantes dos grupos parlamentares, não ocorreu o consenso necessário para a intervenção de um representante da Associação 25 de Abril na sessão solene comemorativa [dos 40 anos do 25 de Abril]", informa a nota do gabinete de Assunção Esteves.

Na reunião de hoje, prossegue o texto, a presidente da AR e os deputados "expressaram, unanimemente, o seu respeito e gratidão pela coragem dos capitães de Abril, com o seu legado da democracia, e reafirmaram o seu desejo sincero de os ter presentes nestas cerimónias".

Fonte da bancada socialista disse à agência Lusa que durante a reunião o PS manifestou uma posição de abertura face à possibilidade de um representante dos capitães de Abril discursar em plenário.

Antes da reunião com os líderes parlamentares, pelas 18:00, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, e o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, estiveram lado a lado, no parlamento, na inauguração da exposição "O Nascimento de uma Democracia", coordenada por José Pacheco Pereira.

"Os capitães de Abril tiveram a grandeza de se dirigir aqui, àquilo que eu chamo a criação, a democracia, e vivificar estas imagens com a perspetiva do criador. Isto vai enriquecer o momento de inauguração desta exposição", congratulou-se a presidente da Assembleia da República, num curto discurso.

Depois, Pacheco Pereira, Assunção Esteves e Vasco Lourenço, seguidos por deputados, funcionários e outros convidados percorreram a exposição, que ocupa os Passos Perdidos e os corredores da Assembleia da República, mas a comunicação social não os pôde acompanhar, tendo ficado circunscrita a pontos fixos de observação.

Antes ainda, Assunção Esteves esteve na Associação 25 de Abril, onde quis "deixar claro" que "o carinho e a gratidão sem limites" que o parlamento deve aos capitães de Abril nunca esteve em causa.

"A minha vinda aqui junto dos capitães de Abril tem uma intenção clara, a de deixar claro no espaço público que o carinho e a gratidão sem limites que parlamento deve aos capitães nunca esteve nem pode estar em causa", declarou Assunção Esteves.

PPF/PMF/IEL (ACL) // HB

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).