Borges "limitou-se a repetir" o que disse Passos Coelho

As críticas do consultor governamental António Borges aos empresários foram "a reprodução, em estilo académico, das palavras" recentes do primeiro-ministro, afirmou este domingo o comentador político Marcelo Rebelo de Sousa.

"Não sei o que é pior, chamar [aos empresários] medricas ou medrosos", como fez Passos Coelho "nas bochechas" deles, ou "ignorantes" como disse António Borges, observou Marcelo Rebelo de Sousa, na TVI.

"O problema de António Borges é o Governo", porque "entende que aquelas ideias estão corretas" e são os portugueses que não as compreendem ou aceitam, observou Marcelo, acrescentando: "Parece que a sapiência está toda concentrada em São Bento."

Mas "é mais fácil o povo mudar de Governo que o Governo mudar de povo.", alertou o conselheiro de Estado e ex-líder do PSD.

Marcelo citou Passos Coelho: "Disse que os empresários tiveram medo dos trabalhadores." Acresce que também o secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, Carlos Moedas, criticara os empresários por terem rejeitado as mudanças na TSU, adiantou.

"O que é grave é a mensagem" de Passos Coelho e do Governo, prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa, assinalando que os empresários "não reagiram" às críticas do primeiro-ministro porque "é mais fácil" fazê-lo em relação a um consultor como António Borges.

O problema "não é a linguagem. É mais grave. É a conceção" dos membros do Governo de estarem convencidos que "estão a fazer tudo" para salvar o País e os portugueses "são uns trogloditas que não [os] estão a ajudar", exemplificou Marcelo.

"Uma coisa é dar aulas e ter modelos académicos, outra é governar pessoas de carne e osso", lembrou Marcelo, considerando que nesta altura é o próprio primeiro-ministro "que está em xeque" perante os portugueses e deve remodelar o Executivo antes da apresentação do Orçamento de Estado para 2013.

"Ao ritmo" a que os membros do Governo e os seus apoiantes "estão a falar, se [Passos] perde essa oportunidade, temo que chegue tarde ou que se torne impossível fazer uma verdadeira remodelação", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.