BE fala em aumento do desemprego "brutal e dramático"

O BE assinalou hoje o aumento "brutal e dramático" do número de portugueses sem emprego revelado pela taxa de desemprego de 17,7 por cento e sublinhou a forma como a emigração está a "sangrar" o país da força produtiva.

"Significa um aumento brutal e dramático das pessoas que ficaram sem emprego no nosso país. É muito preocupante", afirmou a deputada do BE Helena Pinto, em declarações aos jornalistas no Parlamento a propósito dos dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo divulgou hoje o INE, a taxa de desemprego subiu em Portugal para os 17,7% no primeiro trimestre, face aos 16,9% observados no trimestre anterior, com o número de desempregados em Portugal a ultrapassar os 950 mil.

Helena Pinto destacou ainda o facto destes dados revelarem que, pela primeira vez desde que há estatísticas sobre esta matéria, "a população ativa portuguesa, ou seja, a população com emprego, está abaixo do valor da metade, ou seja é inferior a 50 por cento".

"O que significa que a emigração está a sangrar o país da sua força produtiva todos os dias. Estes dois cenários juntos, o facto da população estar desempregada e da população estar a sair do país em busca de emprego são o retrato vivo dos dois anos de governação deste Governo", acrescentou.

De acordo com o INE, a taxa de desemprego aumentou em termos trimestrais 0,8 pontos percentuais e 2,8 pontos percentuais face ao período homólogo.

Entre janeiro e março, o INE contabilizou 952,2 mil desempregados, o que representa um acréscimo trimestral de 3,1% (mais 29 mil pessoas) e homólogo de 16,2% (mais 132,9 mil pessoas).

Os números observados no final do primeiro trimestre atingem níveis absolutamente históricos, num contexto de subidas da taxa de desemprego em Portugal desde o segundo trimestre de 2008, altura em que se situava nos 7,3%, o equivalente a 409,9 mil desempregados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.