BE e PEV preocupados com situação da Guiné Equatorial

Ponciano Mbomio Nvó, advogado e crítico do regime da Guiné Equatorial, foi recebido esta segunda-feira por bloquistas e ecologistas, na AR, aos quais deixou "uma mensagem de preocupação" face à situação no país africano.

Em declarações à Lusa, à saída dos dois encontros que teve esta segunda-feira na Assembleia da República, Ponciano Nvó disse ter transmitido ao Bloco de Esquerda (BE) e ao Partido Ecologista Os Verdes (PEV) "uma mensagem de preocupação da população da Guiné Equatorial, que é vítima de violações de direitos humanos".

Em Portugal a convite da Amnistia Internacional, Nvó desconfia que a entrada da Guiné Equatorial na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que deverá ser aprovada na quarta-feira, venha a resultar em mudanças, mas espera que a comunidade lusófona faça "pressão" nesse sentido.

A Guiné Equatorial "tem uma rede de propaganda, que sempre publica o melhor", critica, reconhecendo que o país tem registado "mudanças físicas, de infraestruturas", mas realçando que, "no campo dos direitos humanos, não mudou nada, porque há demasiada exclusão da sociedade civil, que não existe, sobretudo desde o momento em que se descobriu petróleo".

O deputado do PEV José Luís Ferreira diz que Ponciano Nvó descreveu um cenário "muito mais preocupante" do que estava à espera. "Os direitos humanos não existem na Guiné Equatorial, aquilo é um regime totalmente totalitário e nós não compreendemos como é que um país como este vai entrar para a CPLP".

Os chefes de Estado e de Governo da CPLP, que se vão reunir em cimeira na capital timorense, na quarta-feira, deverão aprovar a entrada da Guiné Equatorial na organização.

"Não é um país de língua portuguesa, mas um regime com o qual não podemos compactuar. A Guiné Equatorial não devia entrar para a CPLP enquanto não fizer (...) uma limpeza da sua casa e tornar-se um país essencialmente democrático", frisa José Luís Ferreira.

Acompanhado por dois dirigentes da Secção Portuguesa da Amnistia Internacional, Nvó encontrou-se depois com o deputado fo BE Pedro Filipe Soares, que acusou Portugal de "cedência" ao "cinismo dos negócios", sobrepondo-se ao "respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades e contra a pena de morte".

"Portugal tinha dito que, enquanto não houvesse respeito pelos direitos humanos, a Guiné Equatorial não poderia entrar" na CPLP, recordou. Ora, "as barreiras" colocadas mantêm-se. "Os atropelos aos direitos humanos continuam a existir, as liberdades não são respeitadas" e a moratória sobre a pena de morte "não impede que as pessoas sejam executadas na mesma", referiu.

"O relato que nos foi dado hoje diz-nos que nós estávamos corretos quando defendíamos que devia existir uma maior pressão nos países da CPLP e não permitir a entrada da Guiné Equatorial", disse Pedro Soares, sublinhando que "Portugal deveria ser impeditivo".

Ponciano Nvó está em Portugal até quarta-feira, exatamente o dia em que a Guiné Equatorial deverá ser aceite como membro da CPLP.

O advogado - que exerce desde 1992, mas está suspenso de funções - vai ser recebido por todos os partidos com assento parlamentar, com os que restantes a fazerem-no na terça-feira: PCP (12.00), CDS-PP (14.30), PSD (15.00) e PS (16.00).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.