Barroso espera alternativas a chumbos do Constitucional

O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, disse hoje que o executivo comunitário espera que o Governo português apresente, "no mais curto prazo possível", medidas alternativas àquelas chumbadas pelo Tribunal Constitucional (TC) e a outras eventuais decisões.

Numa conferência de imprensa, em Bruxelas, por ocasião da apresentação das recomendações específicas aos Estados-membros no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas, Durão Barroso, ao ser questionado sobre a decisão do TC, lembrou que, já na altura da 12.ª missão de avaliação do programa português, na qual "foi reafirmado o défice orçamental de 4% do PIB para 2014", o Governo tinha identificado este risco.

"Logo na altura, o Governo português tinha identificado vários riscos, nomeadamente em sede de análise de inconstitucionalidade ou de eventuais inconstitucionalidades, dizendo que, nesse caso, no caso de se verificarem essas decisões do TC, que as autoridades portuguesas iriam encontrar medidas alternativas de compensação", apontou o presidente do executivo comunitário.

Assinalando que Bruxelas tomou nota "da vontade que o Governo português tem de refletir agora sobre as consequências destas decisões do Tribunal Constitucional, e também de outras decisões que podem eventualmente ainda vir a ser tomadas", Durão Barroso indicou que aquilo que a Comissão recomenda ao Governo português "é que, no prazo mais curto possível, possa precisamente apresentar estas medidas alternativas".

"Isso é necessário para que Portugal possa cumprir os objetivos a que se comprometeu", enfatizou.

Por outro lado, apontou que a Comissão compreende "que o Governo português precise de algum tempo para ponderar quais as medidas" de compensação, escusando-se a "especular" sobre o seu teor, quando questionado sobre se Bruxelas admite nova subida dos impostos para compensar as medidas chumbadas pelo Tribunal.

"Não vou agora, obviamente, fazer especulação sobre que tipo de medidas. Compete às autoridades portuguesas fazerem agora essa alteração na sua proposta orçamental", disse.

Na passada sexta-feira, o TC chumbou três dos quatro artigos em análise do Orçamento do Estado para 2014, incluindo os cortes dos salários dos funcionários públicos acima dos 675 euros.

No entanto, em relação a este artigo os juízes determinaram que os efeitos do chumbo se produzem "à data do presente acórdão", ou seja sem efeitos retroativos.

Os juízes consideraram ainda inconstitucional o artigo 115º, que aplica taxas de 5% sobre o subsídio de doença e de 6% sobre o subsídio de desemprego, e o artigo 117º, que altera o cálculo das pensões de sobrevivência. Já o artigo 75º, que reduz os complementos de pensão no setor empresarial do Estado, foi considerado conforme à Constituição.

A fiscalização sucessiva da constitucionalidade daquelas quatro normas foi suscitada por deputados do PS no dia 9 de janeiro e pelos deputados do PCP, BE e PEV no dia 17 do mesmo mês e, em fevereiro, pelo Provedor de Justiça, José de Faria Costa, que apenas pediu a fiscalização dos artigos relativos às remunerações no setor empresarial do Estado e às pensões de sobrevivência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.