Avante! será o festival mais português do verão

A 37.ª edição da Festa do "Avante!", entre 06 e 08 de setembro, no Seixal, será o festival de verão mais português de todos, segundo os responsáveis do PCP, que dizem tratar-se do maior evento político-cultural do país.

"A Festa do 'Avante!' é um grande evento que se impôs no nosso país. Costumamos dizer que é o maior evento político-cultural que se realiza em Portugal. Pensamos que continuará a ter, pela capacidade de atração que tem e o programa que apresentamos, com um elevadíssimo nível de qualidade e de diversidade, todas as condições e será certamente um grande êxito, uma iniciativa que marca este arranque para um novo ano político", disse o membro do secretariado do Comité Central comunista Alexandre Araújo, em conferência de imprensa no local da festa.

Rejeitando divulgar o número de voluntários ou de visitantes previstos ou mesmo a quantidade de pessoas presentes na edição anterior ou o orçamento previsto para o evento, o dirigente do PCP previu não se irem verificar "alterações significativas em relação a 2012.

"Nós não temos por prática divulgar o número de pessoas que aqui estão até porque a característica da entrada permanente e a possibilidade de umas pessoas virem num dia e outras noutro tornam esse cálculo impossível. Calculamos umas dezenas de milhar de pessoas", disse, justificando que "são elementos que não importa valorizar".

Alexandre Araújo adiantou apenas uma estimativa de cerca de "4.000 jornadas de trabalho" para montar, desmontar e ajudar ao funcionamento do recinto.

"A esmagadora maioria, com certeza superior a 90 por cento, são músicos portugueses. Isto não constitui qualquer tipo de despique, mas é um contraste positivo relativamente ao que se passa na maioria dos festivais que se realizam em Portugal", destacou o membro do Comité Central do PCP Ruben de Carvalho.

Aquele responsável, ligado à organização da Festa do "Avante!" desde o início, em 1976, salientou ainda as homenagens ao encenador Joaquim Benite e ao escritor Urbano Tavares Rodrigues, falecidos este ano, além das várias iniciativas no âmbito do centenário do histórico dirigente Álvaro Cunhal.

"Entendemos valorizar a música portuguesa e dar grandes públicos à música portuguesa, proporcionando-lhe condições de ordem técnica e cénica que não são comuns. Ao longo do ano, os grupos portugueses sejam quais forem, pelo menos em Portugal, não terão grandes possibilidades de tocar com os equipamentos de luzes, de vídeo e de som que têm aqui na Festa do 'Avante!'", acrescentou.

Xutos & Pontapés, Sérgio Godinho, Deolinda, António Zambujo, Cristina Branco, Expensive Soul, UHF, Primitive Reason, Gisela João ou Nu Soul Family são alguns dos artistas que vão ocupar os diversos palcos, bem como a brasileira Maíra Freitas, a saauri Mariem Hassan ou os espanhóis Los Aslándticos e Guitar not so Slim.

A Festa do "Avante!" vai abrir as suas portas pelas 18:00 horas do dia 06 de setembro, uma sexta-feira, tendo o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, a intervenção inicial agendada para as 19:00. O líder do PCP encerrará depois o evento, no domingo, por volta da mesma hora, depois de intervenções da dirigente da JCP Anabela Laranjeira e do diretor do jornal "Avante!", José Casanova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.