Avante! marca rentrée comunista centrada na "luta"

A 36.ª Festa do Avante! arranca na sexta-feira e, com ela, a rentrée comunista, cujos discursos se centrarão na mobilização para a "luta" contra o "pacto de agressão" da 'troika', a nova legislação laboral e a reforma autárquica.

Este ano, a Festa do Avante!, que abre, na sexta-feira, às 19:00, e encerra, no domingo, às 18:00, com uma intervenção do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, ocorre ainda em clima de pré-congresso comunista, marcado para 30 de novembro e 01 e 02 de dezembro.

Além dos cerca de 30 debates dedicados à atualidade, pelos palcos da Festa do Avante! desfilarão também, como é habitual, dezenas de artistas, num programa cultural transversal.

Quando Jerónimo de Sousa der o tiro de partida da Festa do Avante!, na sexta-feira, mais de 100 espaços, entre stands, palcos, restaurantes e outros estarão já prontos para receber os milhares de pessoas que deverão passar pela Quinta da Atalaia, no Seixal, até domingo.

É o resultado das "jornadas de trabalho" que, desde junho, contaram com cerca de 8.000 colaboradores, segundo fonte oficial do PCP, que não avança com estimativas ou outros números em relação às pessoas que poderão ir este ano à Festa do Avante!.

Os debates arrancam logo na sexta-feira à noite, sendo o primeiro "defender o poder local, recusar a extinção de freguesias". Um tema que voltará a centrar atenções no domingo, com o debate "o poder local democrático".

No sábado, às 15:00, os deputados Bernardino Soares (que é também líder parlamentar do PCP), Honório Novo e Agostinho Lopes analisarão o acordo assinado por Portugal e a 'troika' da ajuda externa, num debate que tem como título "rejeitar o pacto de agressão; por uma política patriótica e de esquerda". Uma exposição assinalará ainda um ano do pedido de resgate financeiro.

O tema do Código do Trabalho e do desemprego é outro protagonista dos debates, com destaque para sábado, em que em diversos espaços se analisarão os temas "contra a exploração, lutar nas empresas e na rua", "Código Trabalho: combater a ofensiva contra direitos, salários e liberdade sindical" e "não ao desemprego e precariedade: queremos trabalho, exigimos direitos!"

A escola pública, o Serviço Nacional de Saúde e a política cultural também centrarão as atenções nos debates dos próximos dias no Avante!.

Quanto ao programa cultural, arranca na sexta-feira com um concerto Promenade, com peças de 16 compositores clássicos interpretadas pelos 80 elementos da Orquestra Sinfonetta de Lisboa.

Depois, nos dias seguintes, passarão pela Quinta da Atalaia nomes como Gaiteiros de Lisboa, Ana Bacalhau (vocalista dos Deolinda), Adaifa, Zeca Medeiros, Jorge Palma, Tim, Cristina Branco, Sara Tavares, Nancy Vieira, Pacman, «Rao Kyao, Ana Moura, Blasted Mechanism, Wraygunn, Cais do Sodré Funk Connection, Diabo na Cruz, Linda Martini, Peste & Sida, entre outros.

Há ainda, como habitualmente, espaço para o teatro e o cinema.

Quanto às exposições, no pavilhão central terá lugar uma de fotografia dedicada "ao Trabalho e aos trabalhadores", em que participam 35 fotógrafos e fotojornalistas, tendo Alexandre Araújo destacado Eduardo Gageiro, Alfredo Cunha, António Pedro Ferreira e Luís Carvalho.

Ary dos Santos e Adriano Correia de Oliveira serão evocados em painéis temáticos, a propósito dos 75 e 70 anos dos seus nascimentos, sendo ainda evocado Bento Gonçalves, assinalando os 100 anos do seu nascimento e os 70 anos do seu assassinato no Campo do Tarrafal e os 50 anos da Rádio Portugal Livre.

No total, serão mais de 150 espetáculos e cerca de 30 debates até domingo, servindo estes últimos também para recolher contributos para os documentos do XIX congresso do PCP, segundo o dirigente comunista Alexandre Araújo, aquando da apresentação da Festa, em julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.