Avaliação da troika foi "inspiração da nossa Senhora de Fátima"

O Presidente da República, Cavaco Silva, sublinhou hoje a importância do fim da sétima avaliação da 'troika', falando de uma "inspiração" da Nossa Senhora de Fátima, do 13 de maio.

No final da entrega dos Prémios BIAL 2012, no Porto, Cavaco Silva sublinhou que "foi tomada uma decisão muito importante" para o futuro de Portugal, que foi colocar "atrás das costas, finalmente, a sétima avaliação" e recordando que "não se fala noutra coisa há quase um mês".

"Eu penso [no fim da sétima avaliação] como uma inspiração - como já a minha mulher disse várias vezes - da nossa Senhora de Fátima, do 13 de maio", disse.

Para o Presidente da República, é preciso "pensar nas medidas de relançamento económico e de criação de emprego e do combate ao desemprego", considerando que "isso é de facto o mais importante que temos neste momento" e que foi abafado pelas discussão em torno desta última etapa com a 'troika'.

"E depois foi aberta a porta para a extensão das maturidades em sete anos que é fundamental para que Portugal consiga regressar aos mercados", realçou.

Cavaco Silva recordou ainda que em menos de um ano "já não há empréstimos garantidos a serem recebidos das instituições financeiras internacionais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.