"Austeridade inteligente" para evitar situação grega

O secretário-geral do PS afirmou este sábado que o actual desafio colectivo é fazer "austeridade inteligente" para que o país não se enrede numa situação semelhante à grega.

"O que se coloca hoje como desafio colectivo a todos os portugueses é termos a capacidade de fazer austeridade inteligente", defendeu o líder socialista.

Seguro, que falava no final de uma convenção autárquica que decorreu hoje em Gondomar, explicou ser "necessário introduzir rigor nas contas públicas, equilibrá-las, diminuir a independência externa", salientando porém que "isso não vai lá só pelo lado da austeridade".

"Se for exclusivamente pelo lado da austeridade, nós vamos enredar-nos numa situação muito semelhante à que aconteceu com a Grécia", afiançou.

Criticando as medidas de austeridade e o "caminho errado" do executivo de Pedro Passos Coelho, o líder do Partido Socialista avisou que se à austeridade se somar mais austeridade a economia nacional, "que já não cresce, vai atrofiar-se ainda mais" tornando Portugal um pais que "embora trabalhando, e podendo até trabalhar mais, empobrece".

"E um país que tem uma economia que não cresce, não consegue gerar riqueza. E um país que não gera riqueza não consegue pagar os juros da sua dívida", disse.

O socialista sublinhou que "Portugal tem de ter uma estratégia para o seu crescimento económico" mas admitiu saber que "não há nenhuma estratégia semelhante a uma varinha mágica, ou um estalar de dedos, que faça com que amanhã o nosso país comece a crescer".

Disse contudo ser responsabilidade de todos "encontrar respostas" que permitam simultaneamente "consolidar as contas públicas" e "abrir um caminho sustentável para o crescimento" económico.

António José Seguro quis também clarificar que "o orçamento para 2012 não está em causa, não se coloca a questão de viabilizá-lo ou de o chumbar".

O que está em causa, disse, "é saber se o país vai ter ou não um bom orçamento para poder ajudar a resolver os problemas que temos pela frente".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.