Atribuir estatuto de deficiente militar a título póstumo indigna veteranos

Veterano de guerra diz existirem ex-combatentes cujas incapacidades só foram reconhecidas depois de mortos.

José Arruda parece um veterano da guerra colonial tranquilo, após décadas de luta em defesa dos deficientes das Forças Armadas. Mas a velha irritação regressa quando diz existirem ex-combatentes cujas incapacidades só foram reconhecidas depois de mortos.

"Não se pode admitir que haja qualificações atribuídas a título póstumo", declara ao DN, elevando a voz rouca e batendo com o punho direito na mesa, comprida, da sala que ocupa como presidente da Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA).

A dolorosa memória dessa meia dezena de casos, ocorridos há meses, atenua-se com a constatação de que "há uma nova atitude nos últimos seis meses" por parte do Ministério da Defesa e das Forças Armadas.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".