Assis pede "respeito" no debate interno do PS

"Elevação, grandeza e respeito mútuo": por quatro vezes, à saída da reunião do Secretariado Nacional, aquele que foi o cabeça de lista do PS nas europeias pediu contenção aos socialistas

Francisco Assis repetiu esta sexta-feira à tarde, por quatro vezes, um apelo veemente à contenção verbal na disputa interna. "Faço um apelo para que todo este debate decorra com elevação, grandeza e respeito mútuo. Infelizmente, tenho visto por aí declarações que vão no sentido contrário", apontou o cabeça de lista do PS nas eleições europeias, à saída da reunião extraordinária do Secretariado Nacional socialista.

Fora deste reparo de Assis estão o presidente da Câmara de Lisboa e o secretário-geral do PS, que têm mantido elevação no tom e nas palavras, defendeu. "Não vi nem António Costa, nem António José Seguro, fazerem qualquer declaração de crítica neste plano, mas já vi outros infelizmente."

Para Francisco Assis, é importante que o debate interno não acabe por prejudicar a imagem externa. "Faço um apelo a todos para que salvaguardem a imagem do PS e das instituições democráticas em geral. Terá de haver respeito pelas posições de uns e de outros. Por muito que as atuais divergências pareçam importantes, essas divergências são bem menores do que as grandes convergências que aproximam todos os membros do partido."

Recusando sempre revelar o teor da reunião de cerca de duas horas e meia, Francisco Assis manteve o que afirmou antes: que mantém o apoio a Seguro. "Claro, não sou um troca-tintas. Não ia estar a dizer uma coisa hoje e outra amanhã", rematou.

Esta reunião foi convocada de véspera por Seguro, para preparar a reunião de sábado da Comissão Nacional, onde se discutirá a convocação ou não de um congresso eletivo, depois de Costa ter desafiado o líder socialista a fazê-lo, mostrando disponibilidade para lhe disputar a liderança.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.