"As mulheres sabem que têm de organizar a casa e pagar as contas a dias certos, pensar nos mais velhos e cuidar dos mais novos"

Paulo Portas garante que o Governo "pôs as contas em dia e arrumou a casa". E usou o exemplo da "mulher" para explicar como.

"As mulheres sabem que têm de organizar a casa e pagar as contas a dias certos, pensar nos mais velhos e cuidar dos mais novos.Foram os portugueses que conseguiram, com os seus sacrifícios, vencer a crise e quero fazer uma homenagem especial às mulheres que aguentaram os anos de chumbo da recessão da herança do PS e procuraram conseguir que os filhos tivessem um futuro melhor. São elas credoras dos principais objetivos da política de apoio à família desta coligação", disse.

Num concelho rural como Vagos, Paulo Portas lembrou que "foi uma mulher, Assunção Cristas, que levou a que os pagamentos à agricultura estivessem em dia e esgotassem as candidaturas ao PRODER, quando antes o PS devolvia o dinheiro a Bruxelas" e "puxou" também pelo CDS ao referir que a primeira mulher presidente da câmara foi Alda dos Santos Vitor, eleita pelo seu partido em Vagos.

O primeiro-ministro Passos Coelho acusou hoje António Costa de desdizer o que o PS assumiu sobre o compromisso de descer gradualmente o IRC para aumentar a competitividade fiscal do País.

"É preciso cumprir com a palavra dada. O PS diz uma coisa e faz outra. Há 2 anos o governo propôs a reforma do IRC [Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas] para a competitividade fiscal, que o PS se comprometeu a viabilizar, mas o atual secretário-geral do Partido Socialista não cumpriu com a palavra dada. Quando se começa assim a desdizer o que o partido disse, não pode haver confiança", disse.

Passos Coelho falava num almoço de mulheres promovido pela coligação PSD/CDS, em que também participou Paulo Portas, em que repisou as responsabilidades do PS pela situação a que o País chegou em 2011 e se referiu ao caso BES para defender a ideia de que, ao contrário do que fizeram os socialistas com o BPN, o seu governo evitou que os lesados fossem todos os portugueses.

"Hoje há quem se lamente com os 2,7 milhões de euros que o país teve de pagar quando nacionalizou o BPN, que vai ser pago por todos. Mas desta vez, não foram os portugueses a nacionalizar ou salvar o grupo BES. Sabemos que há quem perdeu muito, mas impedimos que todos os portugueses fossem os lesados, porque não demos ordem à CGD para salvar o BES", comparou.

O líder do PS garantiu que os quatro anos de governação tiveram exemplos de sofrimento e dificuldade, mas insistiu que Portugal "não teve um resgate por acaso, mas em resultado de políticas irrealistas e aventureiras" anteriores "que devem permanecer na memória".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.