"As mulheres pagam com a vida a sua libertação dos agressores"

Em entrevista ao DN, a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, fala das 40 mortes de mulheres às mãos dos maridos. E observa que as penas têm ficado aquém daquilo que a lei permite.

Terminadas as III Jornadas Nacionais contra a Violência Doméstica, Teresa Morais assinala continua a existir em Portugal uma "desigualdade estrutural entre os homens e as mulheres" e que existe "uma tolerância excessiva" para a violência conjugal, que este ano já levou à morte de 40 mulheres.

A secretária de Estado reconhece que ainda há na PSP e na GNR quem esteja pouco sensível ao tema e lamenta que as penas aplicadas pelos magistrados, geralmente, sejam "baixas".

Já quanto às discriminações no mercado laboral, afirma que "as mulheres têm de provar o dobro para chegar ao mesmo lugar que um homem" e aponta o dedo àquelas que, por não o terem sentido ao longo das suas carreiras, não se solidarizam com as restantes.

Saiba mais na edição impressa ou e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.