AS MELHORES FRASES SOBRE AS PENSÕES DE CAVACO

O presidente deu o mote ao afirmar que a sua reforma dificilmente iria chegar para pagar todas as suas despesas. As reacções não se fizeram esperar.

"Tudo somado, o que irei receber do Fundo de Pensões do Banco de Portugal e da Caixa Geral de Aposentações quase de certeza que não vai chegar para pagar as minhas despesas porque como sabe eu também não recebo vencimento como Presidente da República".

"Felizmente, durante os meus 48 anos de casado, eu e a minha mulher fomos sempre muito poupados e fazíamos questão de todos, todos os meses colocar alguma coisa de lado e portanto agora posso gastar uma parte das minhas poupanças e é por isso que eu não faço questão quanto a isso".

Cavaco Silva, presidente da República

"Fiquei tão surpreendido que voltei a ouvi-las [as afirmações], para ver se tinha percebido bem. São declarações surpreendentes, que me deixaram absolutamente estupefacto, porque me recordo que ainda há bem pouco tempo o presidente Cavaco Silva promulgou um Orçamento de Estado que elimina o 13.º e 14.º meses para os reformados com rendimento mensal de 600 euros".

João Semedo, deputado do Bloco de Esquerda

"Se efectivamente o que o Presidente da República disse está correcto, e se ouvi bem, pergunto-me o que estarão agora a pensar os mais de 300 mil portugueses que têm reformas inferiores a 300 euros. (...) Por isso, lamento porque na situação que estamos a viver, em que muitas vezes se fala de coesão social, acho que tem que haver recato e porque não dizê-lo também: haja decência".

Fernando Nobre (presidente da AMI e ex-candidato à presidência da República) à TSF

"Uma vez que a acumulação de reformas que tem pode atingir cerca de 10 mil euros, ora dizer que este valor não dá para pagar as suas despesas por parte de alguém que tem apoiado todas as medidas de corte de salários, de subsídios, de pensões de reforma, não deixa de ser profundamente insultuosa".

Francisco Lopes (ex-candidato à presidência da República) à TSF

"Das duas uma, ou o senhor Presidente da República vive claramente acima das suas possibilidades, portanto, resta-lhe eliminar alguns luxos. Ou então, revela uma enorme insensibilidade e diria mesmo que são declarações obscenas do senhor Presidente da República, sobretudo no tempo em que vivemos".

João Galamba, deputado do PS à Rádio Renascença

"Num contexto tão difícil para os portugueses, particularmente os que vivem das suas baixas reformas e pensões, sabendo que o atual Presidente da República - e não vamos agora questionar o quantitativo - beneficia de um rendimento de 10 mil euros, isso é quase ofensivo para os ouvidos e a vida desses portugueses que não sabem como é que se hão de governar com 200 e 300 euros de reforma".

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.