AR encomendou música a Rodrigo Leão para 25 de Abril

A Assembleia da República pediu a Rodrigo Leão uma composição original sobre o 25 de Abril para as comemorações dos 40 anos da revolução, a ser interpretada num concerto nas escadarias do Parlamento, relevou à Lusa Assunção Esteves.

A ideia de uma intervenção por parte da artista plástica Joana Vasconcelos, envolvendo chaimites usadas no dia 25 de Abril decoradas com cravos vermelhos, e que foi avançada hoje pelo jornal Público, permanece como uma hipótese, afirmou igualmente a presidente da Assembleia.

"Ainda está em aberto", disse.

As "ideias-projeto" para as comemorações dos 40 anos do 25 de Abril, que foram hoje discutidas com os grupos parlamentares, incluem a realização de dois concertos, um dos quais nas escadarias do parlamento, no dia 26 de Abril, pelo compositor e interprete Rodrigo Leão.

"Foi pedida ao Rodrigo Leão uma composição especial sobre o 25 de Abril", revelou a presidente da Assembleia.

O outro concerto previsto deverá realizar-se a 24 de Abril, pelo grupo "Capas Negras" e convidados.

O programa provisório que Assunção Esteves revelou à Lusa inclui também uma "homenagem ao pensamento" na forma de uma conferência sobre "os novos paradigmas do futuro", na qual filósofos e ensaístas farão uma "reflexão sobre o desenho das instituições e das políticas públicas em novos paradigmas de futuro".

Está igualmente prevista uma "grande exposição iconográfica" sobre o "nascimento da democracia", com referências às "história dos partidos, das campanhas eleitorais, os principais momentos políticos e as grandes figuras marcantes".

Um ciclo de cinema sobre direitos humanos é outra das vertentes do programa, estando previsto para o mês de Abril a exibição de um conjunto de documentários realizados por estrangeiros sobre a revolução portuguesa.

A companhia "A Barraca" também deverá apresentar uma produção teatral criada propositadamente para os 40 anos do 25 de Abril.

A ideia de uma exposição de arte urbana, que inclua grafitti, foi também avançada e deverá constar do programa, acrescentou Assunção Esteves.

O programa das comemorações ainda não tem uma estimativa de custo porque não está fechado, disse a presidente da Assembleia, sublinhando que tem pedido aos intervenientes e potenciais intervenientes com quem tem falado que entendam a sua participação como "parte de uma dádiva para o seu país".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.